Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Segunda-feira, 27 de Outubro de 2008
Cirílicas expressões
Neste início de século XXI, a realidade social e demográfica de Portugal tem vindo a alterar-se. Não só se ultrapassou a marca dos 10 milhões e 600 mil habitantes, em 2007, como muitos imigrantes fizeram do país o seu lar. Havendo vários imigrantes de ex-colónias portugLuesas (tanto de vários países africanos como do Brasil), também muitos são oriundos de países da Europa de Leste. De acordo com o SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), de 2001 para 2007, o número de imigrantes registados em Portugal duplicou, passando de 223 mil 997 para 435 mil 736 neste jardim à beira mar plantado.

Destes, 37% (159 mil 224) são oriundos do continente africano, a larga maioria (34%, 147 mil 959) de ex-Colónias Portuguesas (Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe) e 15% (66 mil 354) do Brasil.
Mas novidade tem sido o afluxo de imigrantes da Europa de Leste para o país. Em 2001, num total de 223 mil 997 imigrantes registados, apenas 1% era de países europeus anteriormente comunistas (2 mil 351). Mas, em 2007, no total dos 435 mil e 736 imigrantes registados, 20% (86 mil 230) eram de anteriores membros do extinto Pacto de Varsóvia (a vermelho).


O Pacto de Varsóvia, fundado em 1955 e extinto em 1991, foi a reacção da União Soviética à NATO. Os seus membros incluíam a Albânia, a Bulgária, a Checoslováquia (que se dividiu nas modernas República Checa e República Eslovaca), a Hungria, a Polónia, a Roménia, a URSS e a ex-Alemanha de Leste. A URSS, União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (CCCP em Russo), era constituída pelos agora independentes estados Arménia, Azerbaijão, Bielorrússia, Estónia, Geórgia, Cazaquistão, Quirguistão, Letónia, Lituânia, Moldávia, Rússia, Tajiquistão, Turquemenistão, Ucrânia e Uzbequistão.
Várias são as características que diferenciam estes países europeus dos restantes da Europa, além da localização geográfica. Sendo muitos Cristão-Ortodoxos e tendo passado pela experiência comunista, usam também um alfabeto bem diferente do usado pela maioria dos outros países europeus, o chamado Alfabeto Cirílico (a Grécia usa ainda outro, o Alfabeto Grego). Há letras com representação gráfica semelhante às do Alfabeto Latino (usado em Portugal) mas com significados diferentes (a referida CCCP seria, em caracteres latinos, SSSR, aproximando-se assim de URSS em Inglês e URSS em Português) e há ainda semelhanças com letras gregas. Mas que Alfabeto é esse e de onde e como surgiu? Porquê as suas semelhanças e as suas diferenças com o Alfabeto Latino?

Várias são as línguas europeias que usam este alfabeto, nomeadamente o Bielorrusso, o Búlgaro, o Macedónio, o Servo, o Ucraniano e o Russo, havendo algumas letras que se usam numa língua mas não noutra (da mesma forma que «k», «y» e «w» não eram usados no Alfabeto português, apesar de fazerem parte do Alfabeto latino). O país que mais facilmente se associa ao Alfabeto cirílico é a Rússia, devido à sua importância cultural e histórica e este Alfabeto é usado na maioria dos países do anterior Pacto de Varsóvia. Das letras do Alfabeto cirílico estas são as que são usados pelo Alfabeto russo, maiúsculas à esquerda e minúsculas à direita e tendo por baixo a relativa correspondência sonora de cada letra com as do Alfabeto latino.


A título de exemplo, «Cognosco», em caracteres cirílicos, representa-se desta forma. É importante chamar a atenção que não há uma correspondência unívoca (isto é, de um para um) entre o Alfabeto cirílico e o Alfabeto latino: nem todas as letras cirílicas correspondem a uma só letra latina, há letras cirílicas que não têm correspondência latina (sons que não se utilizam nas línguas que usam o Alfabeto latino) e a correspondência é feita a nível sonoro e não visual.
Por exemplo, uma frase simples em Russo: Привет, мое имя – Миша.
Em caracteres latinos, esta frase escreve-se: Privet, moye im'a Misha.
Em Português, o significado da frase é: Olá, o meu nome é Misha.

Ou atente-se a esta banda feminina russa, de nome Ranetki (em alfabeto latino): Ранетки - Ангелы
Ranetki - Anjos


Na região central da Europa, onde se situa a parte ocidental da Rússia, a Ucrânia, a Bielorrússia, a Bulgária, a República Checa, entre outros, desenvolveu-se um grupo de povos a que o historiador grego Ptolomeu chamou de «tribos eslavas», pois esse era o nome que davam a si mesmos (sendo que «slovo» significava «falar», por oposição a «nemi» que significa «mudo». Ou sejam, chamavam Eslavos aos povos que partilhavam línguas mutuamente entendíveis. A outros povos, como os Germânicos, chamavam «Nemi». Ainda hoje, o termo polaco para «alemão» é «Niemcy»). Por volta do final do século 9º, dois irmãos (entretanto canonizados como santos) de nomes Cyril e Methodius decidiram criar um alfabeto eslavo que permitisse traduzir a Bíblia para as línguas eslavas. Criaram então o Alfabeto Glagolítico (de «glagol’», «declaração». Simultaneamente, «glagolati» também significa «falar»), que foi usado até à Idade Média, principalmente em contextos religiosos, tendo como base os Alfabetos latino e grego. Um aperfeiçoamento posterior daria origem a um novo Alfabeto a que é dado o nome de Cirílico, do nome de uma dos irmãos, o Santo Cyril.



Entretanto, no século 10, chegaram à Europa Central, vindos da Escandinávia (actuais Suécia, Noruega e Dinamarca), povos víquingues, nomeadamente um de nome Rus, que viria a emprestar o seu nome ao país que que depois aí surgiu, a Rússia. Esta expansão deu-se durante a chamada Idade víquingue, um período da História Medieval Europeia que decorreu entre o século 8.º (com a pilhagem de Lindisfarne, em 793) e até ao século 11.º (com a conquista normanda da Inglaterra, em 1066). Em 793, um grupo de Víquingues chocou a Europa com o ataque e pilhagem da ilha de Lindisfarne, no Noroeste da moderna Inglaterra, com a pilhagem do seu Mosteiro e escravização dos seus monges. Os Víquingues (palavra esdrúxula logo carecida de acento grave na antepenúltima sílaba) expandiram-se territorialmente para a Inglaterra, Norte da França Europa de Leste e há mesmo a hipótese de terem chegado ao continente americano. Os Víquingues colonizaram o oeste da Inglaterra, vencendo os Bretões, os Anglos e os Saxões residentes. Outros, oriundos da Dinamarca, colonizaram a Europa, como foi o caso da moderna França, na região conhecida como Normandia (de Norsemen, Homens do Norte, como os Víquingues eram conhecidos). Estes últimos, em 1066, às mãos de Guilherme, o Conquistador, invadiram por sua vez a Inglaterra, vencendo os Víquingues anteriormente aí estabelecidos, bem como os restantes Anglo-Saxões e Bretões.
Aborda-se a origem da moderna língua inglesa no artigo Franca mente. É referida a influência víquingue, havendo perto de mil palavras do moderno inglês que são de origem víquingue, como as iniciadas por «sk» (como «sky» – céu- e «skii» - esqui). A origem víquingue de muitas palavras inglesas começadas por «sk» é equivalente à origem árabe de muitas palavras portuguesas começadas por «al».

Mosaico na Catedral de Santa Sofia de Jesus CristoUm século antes, em 864 AC, o Cristianismo tinha passado a ser a religião oficial da Bulgária e o Príncipe Boris I Michael (Борис I Михаил, em cirílico) encomendou a Clemente de Ohrid, estudioso búlgaro e o primeiro Arcebispo búlgaro, Bíblias escritas em Búlgaro. Não sendo o Alfabeto Latino o mais indicado para expressar alguns sons da língua, este utilizou o Alfabeto Glagolítico, inventado pelos seus Mestres Cyril e Methodius e, combinando-o com o Alfabeto grego (a Bulgária faz fronteira com a Grécia) e com o Alfabeto Hebraico, inventou um novo Alfabeto, inicialmente com fins meramente religiosos, a que deu o nome de Cirílico, nome de um dos seus Mestres e criador do Alfabeto no qual ele mesmo se baseou para desenvolver o seu. Os Víquingues que se instalaram na região converteram-se à religião Ortodoxa e adoptaram este novo Alfabeto. Quando os estados a que deram origem surgiram (como a Rússia), esta era a sua religião e este era o seu Alfabeto. Assim, à medida que a Religião Ortodoxa se expandia da Grécia e Médio Oriente para a Europa de Lesta, o Alfabeto cirílico, criado inicialmente para permitir essa expansão religiosa, foi-se propagando, tendo sido alvo de algumas reformas de índole política ao longo a sua História. O Alfabeto cirílico original é o usado ainda pela Igreja Ortodoxa, sendo o moderno cirílico usado para fins não religiosos e adaptados a língua que o usa. Este tem sido o Alfabeto que tem sido usado, desde a sua criação, no século 9º, na maioria dos países da Europa de Leste. A semelhança visual por vezes curiosa entre os Alfabetos latino e cirílico, como seja o caso de «и», que parece um «N» invertido (correspondendo ao «i» latino), tornam-no numa fonte apetecível para a escrever mensagens de forma curiosa, como muitos já terão tido a oportunidade de constatar.

Quando, em 795, o Imperador romano Teodósio I morreu, o império foi dividido em Ocidente e Oriente. O Império Romano do Ocidente, com capital em Roma, e o Império Romano do Oriente, com sede em Constantinopla. Em 1054, dá-se a ruptura entre os dois braços do Cristianismo: enquanto, no Ocidente, o Imperador e o Papa eram figuras distintas, no Oriente o Imperador era simultaneamente a figura religiosa cimeira. O Catolicismo e o Ortodoxismo partilham as mesmas raízes cristãs, procurando no entanto a Ortodoxa ser mais «fiel» aos ensinamentos cristãos mais próximos da origem. Ambos os ramos aceitam a Santíssima Trindade, a Ressurreição, a Comunhão, a Confissão, a existência de Santos, do Pecado e da Remissão do mesmo entre outros pontos comuns. São irmãs desavindas, simplesmente…


Publicado por Mauro Maia às 18:44
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

2 comentários:
De Renato a 4 de Junho de 2009 às 15:32
Não deveria escrever "imigrantes"?


De Mauro a 5 de Junho de 2009 às 21:17
Estive, «Renato», a ponderar na tua sugestão. A diferença entre «emigrante» e «imigrante» varia conforme a nossa posição perante o migrante: «e»migrante se sai, «i»migrante se entra no nosso país. Qualquer um dos migrantes quedeu entrada no nosso país é emigrante para quem deixou para trás e imigrante para quem os acolhe. Tens de facto razão, uma vez que falo na perspectiva do país que acolhe, efectivamente o termo apropriado será «i»migrante. Os locais em que, por lapso, escrevi «e»migrante em vez do correcto «i»migrante que coloquei também serão prontamente corrigidos. Obrigado pela chamada de atenção.


Comentar artigo

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
achei muito interessante essa sua forma de ver a l...
Obrigado, Desejo um bom 2014 também.
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005