Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Domingo, 18 de Março de 2007
Touros da Anatólia
Há muitos anos, os Deuses gregos reuniram-se, no Monte Olimpo, para celebrar o casamento de uma das suas com um mortal. Todos as Divindades foram convidadas para a festa menos uma: a Deusa da Discórdia.
Esta, para se vingar, enviou para o banquete uma maçã dourada com uma mensagem «para a mais bela». Três Deusas reclamaram a maçã como sendo para si. Como não se entenderam, pediram ao Pai dos Deuses que decidisse qual das três era a mais bela. Não se querendo meter em confusões, e lembrando-se de um jovem pastor que tinha recentemente dado mostras de honestidade, decidiu que seria ele a decidir. O pastor vivia do outro lado do mar e cada uma das Deusas partiu então para se encontrar com o rapaz e tentar influenciar a sua escolha. Uma prometeu-lhe que seria Rei se fosse ela a escolhida; outra prometeu-lhe sabedoria e dotes militares se fosse ela a escolhida; a terceira prometeu-lhe o amor da mulher mais bela do mundo se fosse ela a escolhida. O rapaz escolheu então entre elas e a sua decisão viria a despoletar uma guerra de 10 anos que levaria à destruição da sua cidade-natal, conduziria à morte dos seus pais, do seu irmão e à sua própria e lançaria as sementes da criação de um enorme e influente império.


Esta é a história de Páris, o princípe-que-se-tornou-pastor-que-se-tornou-príncipe e de como a mais «inocente» decisão pode ter as mais sérias repercussões. Como a maioria dos mitos gregos, esta história-embebida-em-História contém profundas e sérias lições de vida. O mito foi contado por vários autores, gregos e romanos. Mas são mínimas as diferenças entre os diversos relatos.

Tudo começou em Tróia, cidade-estado grega na Anatólia (a região entre o Mar Negro e o Mar Mediterrâneo), entre o século 13AC e o século 12AC. O Rei da cidade chamava-se Príamo, que teve várias esposas e concubinas. Da primeira esposa teve um filho, que morreu antes de se tornar adulto. De uma outra teve um filho chamado Esaco (que tinha o dom de interpretar os sonhos e que viria a ser transformado numa ave marinha). Príamo casou também com Hécuba, princesa de outro reino da região. Dela teve Heitor (o príncipe-herdeiro), Páris (o princípe que originaria a guerra), Heleno e Cassandra (os irmãos-gémeos videntes. Esta última rejeitou o Deus Apolo e que, por isso, lhe rogou a maldição de ninguém acreditar nela), Creusa (que viria a casar com Eneias, familiar de Príamo e que fundou a cidade de Roma depois de escapar da destruída Tróia), Laudice (que se tornaria nora do semi-deus Hércules), entre outros.



Quando estava grávida de Páris, Hécuba teve um sonho, no qual dava à luz uma chama ardente. Esaco interpretou o sonho como significando que o bebé, quando crescesse, viria a ser a ruína de Tróia. Quando Páris nasceu, os seus pais, o rei Príamo e a rainha Hécuba, ordenaram que o Tratador do seu gado, de nome Ageleu, levasse o bebé e o matasse. Mas Ageleu não foi capaz de matar um bebé e, por isso, decidiu abandoná-lo no Monte Ida, a sudeste da cidade. Mas a criança foi encontrada por uma ursa da montanha, que em vez de a matar a amamentou. Passada uma semana Ageleu voltou e ficou surpreendido por encontrar o bebé vivo e de boa saúde. Resolveu então ficar com o bebé e educá-lo como seu filho. Levou o recém-nascido para casa numa sacola («phra» em grego, de onde viria o nome que receberia, Páris, pois não tinha recebido ainda qualquer nome). Como prova de que o bebé tinha sido morto, Ageleu apresentou ao Rei à Rainha a língua de um animal, dizendo ser a do bebé. Páris cresceu entre os Tratadores de gado da Anatólia. Um dos seus passatempos era o de organizar combates entre os touros de Ageleu (que ele considerava seu pai). Um dos touros sistematicamente ganhava todos os combates, o que levou Páris a organizar duelos com os touros dos outros Tratadores de gado. Também a esses o boi de Ageleu ganhava sempre. Páris, confiante nas capacidades do touro, anunciou que daria um prémio em ouro ao dono do touro que vencesse o seu. Sabendo do desafio e do prémio, Ares (de onde vem a palavra «aríete», antiga máquina de guerra constituída por um forte tronco de freixo com uma testa de ferro ou de bronze a que se dava em geral a forma da cabeça de carneiro), o Deus da Guerra (cujo equivalente romano é Marte), transformou-se num touro e venceu facilmente o touro de Ageleu. Páris soube depois que o touro que tinha vencido o seu era, na verdade, Ares disfarçado. Mas, mesmo assim, considerou que o prémio lhe era devido e concedeu a Ares a recompensa em ouro.
Entretanto teve um romance com Enone, uma ninfa do Monte Ida com o dom da cura. Enone disse a Páris que, se algum dia fosse ferido em batalha, que a procurasse, que ela o curaria.

Entretanto, no Monte Olimpo, a ninfa Tétis era cortejada quer por Zeus quer por Posídon, Deus dos Mares. No entanto, foi profetizado a Zeus que o filho que Tétis viesse a ter seria mais poderoso do que o seu eventual pai. Zeus era filho do Titã Cronos, que tinha derrotado o seu pai Urano e subido a líder dos deuses. Mas a Cronos foi também profetizado que viria a ser destronado por um seu filhos. Cronos então, para evitar a profecia, sempre que um filho nascia ele devorava-o. Quando Posídon e Zeus nasceram (o quinto e o sexto filho respectivamente), foi dado a Cronos uma pedra envolta em mantas, sendo-lhe dito que eram os filhos. Cronos acreditou e engoliu as pedras. Posídon foi criado na ilha de Rodes e Zeus na ilha de Creta, no Monte Ida. Há dois Montes que, na antiguidade clássica, eram conhecidos como Monte Ida, um na ilha de Creta e outro na Anatólia. O da Anatólia pertence agora à Turquia e chama-se Montanha Kaz. Receando que um filho seu lhe fizesse o mesmo que fez a seu pai, Zeus desistiu da pretensão aos favores da bela Tétis. Casou-a por isso com o Rei Peleu, da ilha grega de Egina. Depois do casamento nasceu Aquiles. Tétis mergulhou então o seu filho no Rio Styx (rio mitológico que uniria a Terra ao Submundo), de forma a torná-lo invulnerável. Segurou a criança pelos calcanhares e mergulhou-o nas água do rio. Mas esqueceu-se dos calcanhares por onde segurou a criança, deixando-o vulnerável nessa zona. (O Tendão de Aquiles, no calcanhar humano, recebeu esse nome devido a este mito.) Aquiles tornou-se um grande guerreiro, o maior guerreiro da Grécia.

Quando Tétis e Peleu casaram, deram um grande banquete no Monte Olimpo, para o qual todos as divindades foram convidadas. Todas menos Éris, a Deusa da Discórdia, por se recear que originasse desentendimentos num evento que se queria de celebração. Despeitada por não ter sido convidada, Éris planeou a sua vingança. No dia do banquete, enviou uma maçã dourada com a inscrição «Kallisti» («para a mais bela» em grego). Três deusas então afirmaram que a maçã era para si: Hera (a esposa de Zeus), Atena (deus da Sabedoria) e Afrodite (deusa do Amor). Como não se entenderam quanto à destinatária da maçã, pediram a Zeus que decidisse qual delas era a mais bela. Não querendo arranjar discussões (provavelmente porque não chegou a chefe dos Deuses por não saber escolher as suas batalhas), lembrando-se do recente episódio protagonizado pelo seu filho Ares e por um jovem pastor de nome Páris, decidiu que o jovem teria o sentido de justiça e imparcialidade adequados à tarefa.
Mais uma vez, chego à mesma reflexão que retirei do mito Pandora: por vezes é o acto de se querer evitar que algo aconteça que leva à sua realização. Neste caso, querendo evitar que Éris semeasse a discórdia no banquete, levou a que Éris semeasse a discórdia no banquete

Hera prometeu a Páris que este seria Rei da Ásia e da Europa se a escolhesse (ver o artigo Magnus tellus para a origem dos nomes dos continentes).
Atena prometeu-lhe sabedoria e destreza militar se fosse ela a escolhida.
Afrodite prometeu-lhe o amor da mulher mais bela do Mundo se fosse ela a escolhida.

Mostrando ser mais humano do que Zeus previra, Páris escolheu Afrodite e reclamou o seu prémio. Na altura, a mulher mais bela do Mundo era Helena, rainha de Esparta e esposa do Rei Menelau.
Para mais sobre a mítica cidade de Esparta, ver os artigos:
~ Lacónico regresso, que aborda, de forma sumarizada, a longa História da cidade;
~ Kara victoria, que fala de Pirro e da sua morte nesta cidade.
Curiosamente também, segundo a mitologia grega, os espartanos são descendentes directos de Ares. A mitologia grega é cheia de reviravoltas curiosas: foi o acto de Ares que levou à escolha de Páris como o juíz da contenda divina e o prémio foi uma das suas descendentes...


Ruínas da muralha de TróiaPáris foi então a Esparta e trouxe Helena (há relatos que indicam que veio por sua vontade, outros que foi raptada. Tendo em conta que foi prometida como prémio a Páris por uma Deusa, penso que a diferença aqui se esboroa, tendo em conta que a vontade divina se sobrepõe aos desejos de uma mortal...) para a cidade de Tróia, uma vez que tinha já conhecimento do seu nascimento e da sua História.
A beleza de Helena era de todos conhecida e muitos tinham sido os reis que lhe tinham cortejado a mão. O seu pai, Tindereu, era rei de Esparta e teve de escolher entre os diversos pretendentes e as suas ofertas. Antes de anunciar quem se tornaria seu genro, o pai de Helena, recusando as ofertas dos pretendentes, quis que todos quanto desejavam a mão da sua filha que prometessem que defenderiam o vencedor, fosse qual fosse o escolhido, perante todos quanto desrespeitassem a escolha feita. Todos concordaram e Menelau tornou-se o orgulhoso marido da mulher mais bela do Mundo. Eventualmente Tindereu abdicou do trono, Menelau tornou-se o Rei de Esparta e teve uma filha com Helena de nome Hermione (que tinha já 9 anos de idade quando Páris levou a sua mãe).
Tindereu então chamou todos os pretendentes de Helena (que incluiam Odisseu, Rei de Ítica, Menestreu, Rei de Atenas, Ajax, Rei de Salamis, Patroculus, amigo de Aquiles e Idomedeu, guerreiro cretense neto de Minos) e fê-los cumprir a palavra dada anos antes.

Agaménon, rei de Micenas e irmão de Menelau, e após as pretensões gregas de que Helena fosse devolvida terem sido negadas por Príamo, o Rei de Tróia e pai de Páris, organizou as tropas gregas para o combate. Mil barcos de guerra foram enviados para a costa de Tróia (após uma primeira e infrutífera expedição), com entre 70 mil e 130 mil soldados de várias cidades gregas. Chegados a terra, as tropas gregas cercaram Tróia e, ao longo dos anos seguintes, iam pilhando as terras circundantes e os aliados regionais da cidade inimiga e plantando o seu sustento. Mas, ao fim de 9 anos, as tropas gregas mostavam já descontentamento e rebelião pela sua situação. A cidade de Tróia não estava completamente isolada e reforços iam chegando (incuindo as míticas guerreiras Amazonas, lideradas pela Rainha Pentessileia, que matou Aquiles em combate. Este foi depois ressuscitado, a pedido da sua mãe Tétis, e matou por sua vez Pentessileia. Após a ter matado, Aquiles apaixonou-se pela rainha amazona) e o fim da guerra parecia muito longe. Odisseu, antigo pretendente de Helena e um dos reis gregos presentes, foi enviado como espião para a cidade de Tróia, disfarçado de pedinte. Helena reconheceu-o mas, saudosa de casa e da sua família, não o denunciou e ajudou-o mesmo.

Foi Odisseu quem elaborou o estratagema do «Cavalo de Tróia», como forma de enganar os troianos, pois o cavalo era um animal sagrado para eles. A gigante estátua foi então esculpida (com a inscrição «Os Gregos dedicam esta oferta a Atena pelo seu regresso a casa») e, no seu interior, Odisseu e algumas tropas gregas esconderam-se. O cavalo foi deixado em terra e os navios gregos partiram em direcção à ilha de Tenedo. Os troianos, julgando a guerra terminada com a partida dos gregos, levaram o cavalo para o interior da cidade, onde debateram o que fazer com ele. Cassandra, a princesa troiana com o dom da profecia, argumentou contra a cidade manter o cavalo. Mas, como tinha amaldiçoada por Apolo, ninguém escutou as suas palavras. Decidiram então ficar com o cavalo e celebraram efusiamente a sua «vitória». Durante a noite, as tropas gregas saíram do cavalo, abriram os portões da cidade e as tropas gregas, que tinham na verdade estado escondidas, entraram na cidade.

Há versões alternativas (e mais plausíveis, talvez) para o que foi exactamente o «Cavalo de Tróia). Uma delas entende o «Cavalo de Tróia» como tendo sido uma Máquina de Guerra de Cerco, capaz de destruir muralhas inimigas e que teria sido, dessa forma, que as muralhas da cidade foram destruídas e que as tropas gregas entraram na cidade cercada. Outros que terá sido um tremor de terra que fez cair as muralhas e que terá sido dessa forma que a conquista e destruição da cidade se deu. Posídon, na mitologia grega, além do Deus dos mares, era igualmente o responsável pelos terramotos e o Deus dos cavalos. A ligação entre cavalos e tremores de terra fica estabelecida através de Posídon.

A cidade de Tróia foi então pilhada e queimada, os seus habitantes escravizados. Aquiles tinha sido morto por Páris, mas não em combate, com uma seta envenenada que o atingiu no seu famoso calcanhar. O filho de Aquiles, de nome Neoptolomeu, presente também na Guerra, matou Príamo, tomou como sua Andrómaca (a esposa de Heitor), escravizou Heleno, outro irmão de Páris. O príncipe troiano foi por sua vez também morto por flechas.
Menelau, o Rei traído, aind pensou em matar a sua fugitiva mulher, mas, ao vê-la, rendeu-se à sua beleza. Ambos voltaram à sua cidade de Esparta e viveram felizes com a sua filha, a já-crescida Hermione.

A Queda de Tróia, por Johann Georg Trautmann

Entretanto Eneias, filho de Príamo e irmão de Páris, fugiu da cidade em chamas com o seu pai (a sua mãe era a Deusa Afrodite, uma das Deusas cuja disputa veio a dar origem à guerra). Descendentes de Eneias, os gémeos Rómulo e Remo, viriam a fundar a cidade de Roma. Esta foi a semente para a criação do vasto império romano que viria, séculos deois da Guerra de Tróia, a vencer e a subjugar os Gregos. A vingança é um prato que se come frio...

E assim decorreu o relato do príncipe-que-se-tornou-guardador-de-gado-que-se-tornou-príncipe e cujas decisões (aparentemente conduzidas unicamente pela cupidez) levaram a
uma guerra de 10 anos que levaria à destruição da sua cidade-natal, conduziria à morte dos seus pais, do seu irmão e à sua própria e lançaria as sementes da criação de um enorme e influente império. As mais inocentes decisões podem acarretar as mais violentas repercussões. Em História, como na Matemática, uma borboleta que bata as asas nos EUA pode dar origem a uma movimentação de massas de ar que pode dar origem a um furacão no Japão...


Publicado por Mauro Maia às 22:33
Atalho para o Artigo | Cogitar | Outras cogitações (10) | Adicionar aos favoritos

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
achei muito interessante essa sua forma de ver a l...
Obrigado, Desejo um bom 2014 também.
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Agosto 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005