Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Sábado, 6 de Outubro de 2007
Dragões e vampiros

Entrámos, a 1 de Janeiro de 2001, no 2.º milénio (como não houve ano 0, os dois mil anos completaram-se em 2001). A tendência da cultura ocidental tem sido a de ver o progresso da Humanidade como algo linear e cumulativo. A ser assim, seríamos, hoje, mais avançados do que os Portugueses que fizeram a descoberta do Brasil (por exemplo), como esses seriam mais avançados do que os Portugueses que lutaram pela criação de Portugal e esses mais avançados do que os Suevos e Alanos que os procederam e assim por diante. Não se confunda aqui o desenvolvimento com progresso tecnológico, se bem que mesmo este teve vários recuos ao longo da História, mesmo que o século XX possa parecer indicar o oposto. As raízes dessa visão da História como sendo um processo cumulativo (como a Ciência), terá as suas raízes na Revolução Francesa (como muitas outras coisas, quer boas quer más, que ainda hoje temos) e o Comunismo (filho ilegitimo dessas ideias) preconiza-o de forma cega e alienatória. Mas a História da Humanidade tem parecido recheada de retrocessos e de repetição de erros passados. A barbárie e a desumanidade de algumas épocas têm encontrado paralelos ao longo da História, por muito que os anos, os séculos e os milénios avancem. Uma componente da Humanidade (não a mais importante, não a exclusiva mas uma importante) tem sido a do pensamento racional e científico, que projectou uma pequena e frágil espécie de primatas, oriunda de África, para a conquista do Planeta. Para um sumário resumo sobre a evolução humana e a sua ascendência primata, ver o artigo Primos inter primos. Chegados ao início do século XXI (com apenas 150 séculos passados desde o nosso aparecimento na Terra, comparados com os 600 mil séculos que os Dinossáurios vagueram por cá, cerca de 400 vezes mais tempo do que nós) a espécie humana encontra-se simultaneamente desconfiada da Ciência e cada vez mais dependente dela. Ver Cave Savrie sobre os Dinossáurios e uma das suas principais características, que indica que somos mais parentes deles do que muitos répteis actuais e ainda, para uma reflexão sobre a dualidade do papel da Ciência, ver Scientia in orbis core. Não se confunda a busca pelo pensamento racional com incapacidade de sonhar. Aliás, se algo tem fomentado o desenvolvimento da Ciência tem sido exactamente o sonho de procurar o (aparentemente) impossível, sem as amarras e os grilhões da auto-ilusão e da exploração para fins alheios. Esta dualidade do papel da Ciência, na sociedade actual, tem fomentado misticismos e noções perfeitamente desadequadas (se não mesmo perigosas) no final do século que terminou e neste que inicia. Seria moroso (e desprovido de finalidade concreta, aqui no Cognosco) fazer uma lista dessas noções. Abordaremos apenas uma, um curioso meme que dá pelo nome de Vampiros e o seu Conde Drácula.

 

 

 

As histórias de vampiros humanos que sugam o sangue das suas vítimas para se alimentarem, tornando-as igualmente vampiros, têm-se espalhado pelo Mundo, à medida que a Globalização avança. Mas os Vampiros como hoje se entendem, os seus poderes e fraquezas, teve a sua origem no folclore da Europa de Leste. A própria palavra «vampiro» deriva directamente da palavra «vampir», comum a todas as línguas eslavas (do romeno ao russo), surgida por volta de 1050 DC. Nessa altura, os vampiros eram «apenas» criaturas que roubavam a alma aos vivos, tornando-os também a eles vampiros. Alguns alimentavam-se dos mortos, outros sugavam o sangue às suas vítimas. Mas nada de morcegos que mordem para chuparem (um pouco) de sangue. Essa ligação entre vampiros e morcegos surgiu com os Descobrimentos. As únicas três espécies de morcegos que se alimentam de sangue são oriundas da América do Sul. Quando os Europeus (Espanhóis e Portugueses) depararam com estes morcegos, a notícia de que os vampiros eram mesmo reais correu a Europa. A associação entre os morcegos e os vampiros tornou-se, então, fixa. Mas vampiros e morcegos não são a mesma coisa: se fossem, que lógica haveria em chamar a esses animais morcegos-vampiros? .:. No início do século XIX (em 1819), surgiu o livro «The Vampire», de John Polidori, onde surge, pela primeira vez na literatura europeia, um vampiro humano aristrocrático, na figura de Lord Ruthven. O livro que escreveu baseou-se num pequeno conto escrito pelo famoso poeta inglês Lord Byron, escrito por este na mesma noite e na sequência do mesmo desafio que levou Mary Shelley a escrever «Frankenstein». .:. Em 1871, Sheridan Le Fanu escreveu «Carmilla», a história de uma mulher vampira que persegue uma jovem e inocente vítima. .:. Baseado neste último, Bram Stoker escreveu, em 1897, o famoso livro «Drácula». Inspirou-se também no enigmático príncipe (e não conde) Vlad III Tepes, que governou a Valáquia(parte da actual Roménia), entre 1448 e 1476.
27 países da União Europeia

 

É claro, como visto no artigo esTepes, que vampiros humanos, com as características geralmente aceites, são uma impossibilidade matemática (pelo menos), mas isso não lhes retira o apelo e interesse. Mas que sejam pontuados com um conhecimento concreto de onde vêm e do que podem ou não significar. A História que liga Vampiros a Dragões e ao Príncipe Vlad III, começa sensivelmente no século XIV DC. Por volta dessa altura, D. Dinis era o Rei de Portugal e Marco Pólo fez a sua viagem à China. Ver o artigo A derrota de pizza para mais sobre Marco Pólo. O Império Romano há muito tinha passado a pertencer somente aos livros de História: em 476 DC, o imperador Rómulo Augusto capitulou perante as forças de rei bárbaro Odoacro, pondo fim ao Império Romano do Ocidente. O Império Romano do Oriente, com a sua capital na cidade de Constantinopla (actual Istambul) permaneceu. O Império Romano foi definitivamente separado em dois, em 395, pelos filhos do último Imperador do Império Romano Unido, Teodósio. Ver Magna bybliotheca para a possível ligação de Todósio ao desaparecimento da Grande Biblioteca de Alexandria. Entre 476 e 1453, o Império Romano do Oriente subsistiu e chegou mesmo a reconquistar a Península Itálica às forças bárbaras que a tinham conquistado. Mas um povo de religião muçulmana (tinham sido convertidos pelos Árabes, cuja religião fora fundada, no século VII, por Maomé), oriundo da Anatólia (onde se situa presentemente a Turquia), liderado por Osman I, aproveitando a fraqueza militar do Império Romano do Oriente, aos poucos foi conquistando todos os seus territórios. Em 1453, com a queda da Constantinopla (rebatizada Istambul pelos Turcos Otomanos), o Império Romano acabou, ficando as antigas possessões orientais sob domínio muçulmano.
Ver, sobre este Império, que só acabou em 1918, com a sua derrota na I.ª Guerra Mundial, os artigos:
~ Míngua sobre a ligação entre a conquista desta cidade, o Império Otomano e a razão porque tantas nações muçulmanas modernas têm um Quarto Crescente na bandeira, apesar de não ser este o símbolo da religião islâmica;
~ Os Magos dos Medos sobre as origens comums das 3 religiões monoteístas mundiais.                    União Europeia em 2007

 

                                                                                                       
Após a conquista de Constantinopla, o Império Otomano cresceu em poder e influência, tornando-se uma potência de respeito. Foi, por exemplo, a primeira nação do Mundo a equipar o seu exército regular com armas de fogo. Várias nações europeias decidiram tentar seguir o exemplo do Império Otomano, criando corpos militares armados com armas de fogo. Uma dessa tentativas foi na França, com a criação dos Mosqueteiros do Rei, um grupo de elite que combatia a cavalo e com mosquetes, não com as espadas a que os filmes nos habituaram. Ver Um por todos para mais sobre os Mosqueteiros e os verdadeiros D'Artagnan, Portos, Atos e Aramis.
A expansão otomana preocupava os reis e príncipes europeus, em especial a Hungria, que fazia directamente fronteira com os muçulmanos otomanos (cujo nome deriva directamente do seu primeiro líder, Osman I). Mas o mundo cristão não era somente feito de lutas contra os muçulmanos. Em 1330, Basarab I, que governava a Valáquia, então parte da Hungria, revoltou-se contra o Rei húngaro e estabeleceu a independência da Valáquia, tornando-se, dessa forma, o país europeu mais directamente em contacto com o Império Otomano. Símbolo da Ordem d DragãoE os Otomanos continuavam a sua expansão territorial e militar. Para lhes fazer face, o Rei Sigismundo I da Hungria criou, em 1408, a Ordem do Dragão (Societatis Draconistrarum), um grupo de cavaleiros nobres cuja missão era defender a religião cristã. Dos 24 membros-fundadores, faziam parte o Rei da Hungria, o Rei da Sérvia, o Rei da Polónia, o Rei da Lituânia, o Rei da Áustria, o Rei da Dinamarca e o Rei de Aragão e Nápoles (de nome Afonso e bisneto de D. Pedro I de Portugal e de Dona Inês de Castro). Equivalentemente, em Portugal, em 1318, foi criada a Ordem de Cristo, uma ordem militar cristã, inicialmente sediada em Castro Marim e depois movida para Tomar, onde absorveu os bens e propriedades da extinta Ordem dos Templários.
Em 1431, Sigismundo I resolveu alargar a Ordem e convidou o Príncipe da Valáquia, de nome Vlad II. Dessa forma, Vlad II da Valáquia assumiu o nome de Vlad II Dracul (de «Draco», Dragão/Serpente em Latim). Assim foi fundada, em 1431, a dinastia de príncipes da Valáquia dos Dracul, cujo objectivo era lutar contra a expansão otomana. As vitórias que tiveram foram efémeras e, em 1521, os Otomanos já tinham conquistado a Valáquia, a Transilvânia, a Moldávia e o Reino da Hungria foi conquistado nesse ano. Vlad III DraculaeNa altura em que nasceu (em 1431) o seu segundo filho, na Transilvânia, de nome Vlad III, Vlad Dracul encontrava-se em Nuremberga, para ser integrado na Ordem do Dragão. Com a idade de 5 anos, Vlad III tornou-se membro da Ordem do Dragão e assumiu o cognome de Draculae («pequeno dragão» em latim). Actualmente, em romeno, a palavra «draco» significa «demónio» mas, na altura, o seu significado era o mesmo que tinha em latim, Dragão. Quando era jovem, o seu pai negociou com os Otomanos para que estes não invadissem a Valáquia. Em troca, Vlad II tornou-se vassalo dos Otomanos e entregou os seus dois filhos mais jovens (Vlad III e Radu) como reféns dos Otomanos, como garantia. Vlad III foi muito maltrado fisicamente pelos turcos, o que lhe marcou o espírito e lhe deu um ódio enorme pelos turcos e pelo seu pai, que considerava como traidor à Ordem do Dragão (em vez de lutar contra os muçulmanos otomanos, tornou-se seu vassalo sem oferecer luta). Vlad III passava bastante tempo no seu palácio, à volta do qual se desenvolveu a moderna cidade de Bucareste, capital da actual Roménia. Vlad III Draculae tem também a alcunha de Vlad III Tepes (que significa «O Impalador»), pois essa era a sua forma preferida para executar prisioneiros. Durante a sua vida, manteve a luta contra os Otomanos e é até, na Roménia, ainda recordado como um príncipe justo e defensor do principado. Foi casado duas vezes, tendo a primeira mulher (de que não se sabe o nome) morrido em 1462: os Otomanos preparavam-se para invadir a Valáquia e a mulher de Vlad Draculae atirou-se da janela do palácio Poienari para o rio alegadamente dizendo que «preferia que o seu corpo apodrecesse e fosse comido pelos peixes do que ser capturada pelos Turcos». Ainda hoje, o rio onde ela se suicidou chama-se «Râul Doamnei» (O rio da Senhora, em romeno). Vlad terá morrido em 1476 mas não se sabe se em combate ou durante uma caçada. Os Turcos ficaram com e decapitaram o cadáver do Príncipe da Valáquia, conservando-o em mel e enviando a cabeça para o Sultão do Império Otomano. Supostamente o corpo terá sido enterrado num convento perto de Bucareste. Vlad Draculae faz parte das lendas e folclore romenos. Para os camponeses romenos, Vlad Darculae é lembrado como um defensor do povo e protector da nação contra os Turcos. O poeta nacional da Roménia Mihai Eminescu (1850-1889) escreveu «Onde estás, Lorde Tepes, para os apanhares e separares em dois grupos: os tolos e os patifes», numa referência às medidas anti-corrupção e anti-criminais (muitas vezes brutais) que Vlad Draculae usava. A par dessa luta contra o crime e a corrupção, Vlad Drculae também é recordado por ter, como resposta ao que considerou um insulto, pregado, em vida, os chapéus de embaixadores (a nação varia conforme a lenda) às suas cabeças. O seu gosto por impalar também é uma outra das suas características mais negativas referidas. As principais vítimas eram os prisoneiros turcos que ele capturava depois das batalhas. Conta-se que Mehmed II, sultão otomano, voltou para trás numa altura em que invadia a Valáquia depois de deparar com dezenas de milhar de cadáveres de soldados turcos impalados em redor da capital de Vlad Draculae, Targoviste. Estabelecem-se assim algumas diferenças entre o mito do Conde Drácula e a figura histórica que «inspirou» a sua criação (o nome Drácula deriva directamente do seu título de membro da Ordem do Dragão, Draculae): ~ Vlad III Draculae era príncipe (e não conde) e o seu nome significa pequeno dragão, por pertencer à Ordem Militar Cristã do Dragão. ~ Foi cruel durante o seu reinado mas, certamente, não muito mais do que muitos dos reis da sua época. É recordada e elogiada a sua luta contra a corrupção e contra o crime (referida, em 2004, pelo então candidato e actual presidente da Roménia Traian Basescu como exemplo a seguir). ~ Apesar de ser associado à Transilvânia (onde nasceu durante o exílio dos seus pais), Vlad Draculae governou a Valáquia, um principado vizinho. ~ Foi um governante que lutou pela Fé Católica e pelo Poder da Igreja. Por isso, dificilmente seria afectado por lhe ser mostrada um cruz... ~ Morreu, em 1476, decapitado pelos inimigos da fé católica, o seu corpo enterrado na Valáquia e a cabeça enviada para a Turquia. Morcego vampiro «Desmodus rotundus»Os verdadeiros vampiros existem, de facto: os Morcegos Vampiros. Há, neste momento, aproximadamente mil e cem espécies de vampiros, das quais apenas três (0,27%) são vampiras (isto é, alimentam-se de sangue): os Desmodus rotundus, os Diphylla ecaudata e os Diaemus youngi, as três originárias (e residentes) na América do Sul... Ou seja, uma família pacata e maioritariamente frugívora ou insectívora como os Morcegos, com as suas milhares de espécies, recebe uma tremenda má fama por causa de apenas 3 delas (um pouco como se uma família inteira de mil e cem pessoas fosse suspeita dum crime cometido por apenas três dos seus membros). Aliás, há quem (e é de bom-senso) construa «Casas para Morcegos», tal como se constroem «Casas para Pássaros», em particular na Europa, onde a maioria dos morcegos é insectívora. Deste forma, estimula-se o crescimento da população de morcegos insectívoros: os mosquitos e outros insectos voadores perigosos são comidos e os morcegos, que passam o dia a dormir e, durante e noite, voam em silêncio e emitem sons demasiado altos para um Ser Humano ouvir (a eco-localização que lhes permite voar no escuro), não incomodam qualquer pessoa e contribuem para a saúde de quem, tantas vezes, os maltrata. Uma das espécies que os Morcegos caçam e que é altamente irritante e perigosa, por extrair sangue de animais (e de seres humanos) e poder, dessa forma, propagar graves doenças, é a dos mosquitos. Mas apenas as fêmeas o fazem, para alimentar os seus ovos, enquanto os machos se alimentam de pólen, ver Girl Power. Eis a página oficial do «Castelo de Drácula», na Transilvânia (disponível em Inglês e em Romeno), que pode ser (e é) visitado.


Publicado por Mauro Maia às 10:34
Atalho para o Artigo | Cogitar | Outras cogitações (8) | Adicionar aos favoritos

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Olá Ribeiro. Eis um link atualizado para a folha d...
Seria possível fornecer um link atualizado para o ...
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005