Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Sábado, 30 de Agosto de 2008
Doce mecânica

Muitas são as razões pelas quais o nome de um país circula pelo Mundo e geralmente procura ter uma boa reputação no palco mundial. O adjectivo «bom», subjectivo como é, pode ser interpretado de formas diferentes por pessoas diferentes. Um país militarista com armas nucleares poderá ser visto como «mau» pela generalidade das pessoas e em especial pelos seus vizinhos mas, na sua visão, será algo positivo ser visto internacionalmente como um país a recear. Alguns procuram alcançar um lugar no palco mundial realçando o seu glorioso passado, outros através do poder bélico, através das influências políticas, através do número de medalhas desportivas ganhas... Eis algo em que Portugal não é excepção: procura o seu lugar ao Sol internacional mas o seu passado é ignorado por muitos e a sua pequenez presente pode torná-lo uma mera curiosidade nalgum Atlas geográfico.

Atlas segurando os céusO termo Atlas, referindo-se a uma colecção de cartas geográficas, deve o seu nome a um lendário Rei Atlas, da Mauritânia, conhecido, de acordo com o grego do século IV AC Eumero, por ser um grande Filósofo, Matemático e Astrónomo. Quando, em 1595, Gerardus Mercator (1512-1594), cartógrafo flamengo (parte da actual Bélgica), reuniu uma colecção de mapas num mesmo livro, deu-lhe o nome de «Atlas, Sive Cosmographicae Meditationes De Fabrica Mundi» (Atlas, ou Descrição do Universo). O Atlas a que se referia era o mitológico Rei Atlas, da Mauritânia, e não ao também mítico Titã Atlas, irmão do Prometeu. Atlas, de acordo com a mitologia clássica grega, sustinha o peso do Céu, pelo que a representação comum de Atlas a carregar o mundo às costas é uma incorrecção. No Norte de África, a atravessar Marrocos, Argélia e Tunísia, há uma cordilheira montanhosa chamada Montanhas Atlas. Deve o seu nome ao famoso Rei da região e não ao malogrado Titã. Para mais sobre Prometeu e Epimeteu (ambos irmãos do Titã Atlas) ver Pandora; para mais sobre a origem do nome África (e dos outros continentes), ver Magnus Tellus.

Bem podem os portugueses se exaltar quando o seu decisivo papel como país que iniciou os Descobrimentos e deu início à primeira Globalização é esquecido; discutir acaloradamente quem foi o maior português de sempre (o resultado da «auscultação» popular deu um vergonhoso resultado que revela bem como a memória das pessoas é curta e, mesmo após décadas, como uma propaganda, repetida até à exaustão; pode ainda lavar mentalidades...), podem abespinhar-se perante o número de medalhas ganhas nos Jogos Olímpicos (é de realçar que há 192 países no Mundo; destes todos participaram nos Jogos Olímpicos; mais 13 territórios, como Hong Kong ou a Formosa ou as Ilhas Cook participaram; no total, 205 equipas olímpicas participaram nos J.O. de Pequim; das 205 Delegações Olímpicas apenas 87 (42%) levaram alguma medalha; mais países ganharam apenas 1 medalha (19) do que 2 medalhas (12). Portugal ficou em 46.º lugar (quadragésimo sexto) em termos de medalhas ganhas (2). O Brasil em 23.º (vigésimo terceiro) em termos de medalhas ganhas (17). Ficar na metade que ganhou efectivamente medalhas parece que é ainda pior, para alguns, do que ficar na metade que nada ganhou...); pode ficar terrivelmente emocionado quando a selecção nacional de futebol marca algum golo (e desconsiderá-la quando perde algum jogo).

Mas a verdade é que não é nenhuma destas razões que coloca mais vezes o nome de Portugal nas bocas do mundo. Tal honra deve-se a um simples fruto, a mui humilde laranja. Mas que possível ligação pode ter esse fruto com o nosso pequeno rectângulo geográfico (mais as suas 11 principais ilhas)? Portugal não é o maior produtor de laranjas do mundo (nem há registos históricos de alguma vez o ter sido). O maior produtor mundial de laranjas é o Brasil (cerca de 18 milhões de toneladas anuais); segue-se os EUA (8 milhões e 500 mil toneladas) e depois o México (4 milhões). Mesmo a Espanha, nossa vizinha geográfica, produz apenas 2 milhões e 500 mil toneladas anuais, o que é cerca de noves vezes inferior ao Brasil.

Para desvendar esse mistério, analisemos primeiro o que é ao certo uma «laranja». Originária do Sudoeste Asiático, a Laranja terá surgido pelo cruzamento entre o Pomelo e a Tangerina. Há dois tipos de laranjas, a «laranja doce» (Citrus sinensis) e a «laranja amarga» (Citrus aurantium). A primeira a chegar, vinda da China, ao Médio Oriente, nomeadamente à Pérsia, foi a «laranja amarga» (C. aurantium). Essa variedade de laranja (amarga) ainda hoje é conhecida como «maçã chinesa» (e.g., «apfelsine», em Alemão) e é muito usada na perfumaria e na produção de compotas. Foi essa a primeira laranja a chegar à Europa, quando foi introduzida, em Itália, no século XI, vinda da Pérsia. Até que, no século XV, os portugueses chegaram à Índia e trouxeram uma outra variedade de laranjas. Estas eram doces e mais do agrado do paladar da maioria das pessoas. Ao longo das rotas marítimas, os navegadores portugueses plantaram laranjeiras, como forma de combaterem o escorbuto (doença provocada pela falta de vitamina C no organismo). Durante séculos, a principal fonte de importação das laranjas doces era Portugal (e as suas colónias). De tal forma que, em muitas línguas, Portugal passou a ser sinónimo de laranja (doce):
~ Árabe: al-Burtuqal «البرتقال»
~ Búlgaro: Portokal «портокал»;
~ Etíope: Birtukan «birtukan»;
~ Georgiano: Phortokhali «ფორთოხალი»;
~ Grego: Portokali «πορτοκάλι»;
~ Italiano (alguns dialectos): Portogallo ou Purtualle «Portogallo»;
~ Persa: Porteghal «پرتقال»
~ Romeno: Portocala «Portocală»;
~ Turco: Portakal «Portakal».
No livro de Ficção-Científica «Dune», de Frank Herbert, fortemente influenciado pela cultura, modo de vida e língua árabes, é dado o nome de «Portyguls» às laranjas.

Como é natural, em português o fruto não se chama Portugal, é «laranja». Esta palavra deriva do Sânscrito (antiga língua indiana de moderno uso religioso) «nāraṅgaḥ». Daqui derivou o persa «nārang», que deu origem ao árabe «nāranj», de onde veio o «laranja» português, «naranja» espanhol e «arancia» italiano. Não temos um nome distintivo para as laranjas amargas e para as laranjas doces, enquanto que, para os árabes, «nāranj» é a laranja-amarga» e «al-Burtuqal» é a laranja-doce.
Para a origem persa de Xadrez, Xeque-mate e Xeque, ver O Rei vai manco

Da laranja veio também o nome para a cor. A cor, claro, não foi inventada apenas nessa altura, sempre existiu. Mas apenas quando os Europeus tiveram acesso às laranjas é que a cor que anteriormente designavam por algo como «amarelo-vermelho» passou a ter a designação do fruto com essa cor.
É uma fruta que modernamente se associa à Vitamina C e ao combate às Gripes e Constipações. No entanto, como foi visto em O-zono de Morfeu, a laranja não é a fruta com maior percentagem de Vitamina C. A acerola (0,72%), a amora (0,2%), os pimentos (0,19%), a salsa (0,13), o kiwi (0,09%), os brócolos (0,09%), couves-de-bruxelas (0,08%), dióspiros (0,08%), papaia (0,08%), morangos (0,08%) têm mais Vitamina C do que a laranja (0,05%) e do que o limão (0,04%). Por exemplo, um quilograma de amoras tem 2 gramas de Vitamina C, enquanto um quilograma de laranjas tem apenas 0,5 gramas! Além disso, não há qualquer ligação cientificamente estabelecida entre a Vitamina C e o combate às gripes e constipações por «reforço imunitário». No artigo Influências astrais, viu-se que as causas das gripes e das constipações nada têm a ver com os ditos populares de que são «causadas» pelo frio ou pela chuva. Esse é um mito do século 18, que se propagou naturalmente, sem fundamentos válidos. Tanto se repete e repetiu que parece «verdade» mas não é.

Da próxima vez que se ouvir a expressão «laranja mecânica», como referência à selecção de futebol da Nederlândia, vulgo «Países Baixos» ou o extremamente incorrecto «Holanda» (em Novas e Demónios há a explicação), pense-se que, para muitos países do mundo (entre eles vários apreciadores de futebol), Portugal é a verdadeira selecção LARANJA!

«Clockwork Orange» (Laranja mecânica) é o título de um livro do escritor inglês Anthony Burgess, datado de 1962, que relata a vida de um grupo de jovens marginais inglesas que praticam crimes nas ruas de Londres. O livro deu origem a um filme com o mesmo nome, realizado por Stanley Kubrick, em 1971. Devido ao facto de a cor predominante da selecção da Nederlândia ser laranja, alguém achou engraçado fazer essa referência e a moda pegou...



Publicado por Mauro Maia às 19:39
Atalho para o Artigo | Cogitar | Outras cogitações (4) | Adicionar aos favoritos

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
achei muito interessante essa sua forma de ver a l...
Obrigado, Desejo um bom 2014 também.
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005