Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Quinta-feira, 20 de Setembro de 2012
Legume de ouro
Por vezes, há pequenos pedaços de informação que surpreendem não por serem inacreditáveis mas por serem tão óbvios que espanta não se ter pensado nisso antes. Em parte, o Cognosco nasceu como forma de registar essas pequenas informações.
A de hoje reporta-se a um vegetal abundante nos países mediterrânicos (Portugal, há alguns anos, era o 3.º maior produtor mundial mas Marroocos ultrapassou-nos em 2010, para nossa inconsciente vergonha!) e que, apesar de todos (?) já dele terem ouvido falar, poucos parecem dele ter conhecimento: a Alfarroba, usada como medida para o ouro em tempos antigos (e presente ainda hoje na linguagem)!
Não é o vegetal que mais profundamente está ligado a Portugal (essa glória pertence à laranja, como visto no artigo Doce Mecânica, que leva o nome nacional a uma variedade de línguas internacionais). Mas é um legume a que geralmente não se associa essa designação, optando-se por incorretamente chamar a outros vegetais «legumes» sem que o sejam. Como amplamente visto no artigo Frutos e legumes, os legumes são os frutos de plantas com vagens (a família Fabaceae). Assim, as favas (de onde vem o nome da família) são legumes mas as batatas não; as ervilhas são legumes mas as cenouras não; o feijão é um legume mas o tomate não; o amendoim (!) é um legume mas a couve não.

A Alfarroba, usada como substituto de chocolate devido à cor negra dos seus grãos amadurecidos, é outro membro da ilustre família dos Legumes (é a terceira família mais extensa em número de espécies de plantas terrestres). A ligação deste humilde legume ao ouro começou com a ideia (errada mas é assim que crescem as línguas humanas e as suas culturas) de que as sementes de Alfarroba tinham sempre o mesmo peso (aproximadamente 0,2 gramas). Como tal, eram usadas como medidas de peso «confiáveis» para pesar o ouro (recorde-se do célebre episódio de Arquimedes e a Coroa do Rei Minos, contado e reavaliado no artigo Aurea corona, para recordar a importância da correta pesagem do ouro). As moedas romanas Solidus, feitas de ouro puro, pesavam «exatamente» 24 sementes de Alfarroba (ou 4,5 gramas).
Um solidus correspondia a uns impressionantes 275 mil denários para que recorda as aventuras de Astérix.

Como é usual na evolução das línguas, o termo grego para «feijão/alfarroba» era keration (da palavra kéras «corno», devido à forma das vagens da maioria dos legumes). Esta palavra grega ter-se-á tornado em «qirât» em árabe, o que deu origem à palavra portuguesa quilate, termo ainda usado para classificar a qualidade do ouro: algo metálico em que 100% do metal é ouro tem «24 quilates» (ou 24 sementes de alfarrobas...)
Assim, quando se dá alfarrobas ao gado como alimentação, é uma alimentação de 24 quilates!
Países produtores de Alfarroba em 2010
  1.  Espanha: 48 mil toneladas
  2.  Itália: 25 mil e 337 toneladas 
  3.  Marrocos: 20 mil e 489 toneladas
  4.  Portugal: 19 mil e 400 toneladas
  5.  Grécia: 13 mil e 300 toneladas

 



Publicado por Mauro Maia às 16:05
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

Sábado, 15 de Setembro de 2012
O Saber esclarece

Um traço comum à maioria (todos?) os regimes políticos totalitários é subverter a História, a Cultura, as tradições e os valores dos países que tiveram a infelicidade (consentida ou não na altura) de viverem sob o seu jugo.

A última metade do século passado assistiu à ascenção de vários desses regimes (de esquerda e de direita) e às adulterações e manipulações que empregaram para ganhar e manter a sua posição política.

 

Em Portugal, foi a adulteração da rica História portuguesa para lhe dar contornos mais salazaristas. Como as cores da bandeira nacional (vermelho e verde) que eram simplesmente as cores do Partido Republicano que derrubou a Monarquia e que foi derrubado para permitir a ascenção da ditadura salazarista (para mais sobre o papel do Estado Novo ver Cadeira Negra). Distorcendo a realidade histórica, espalharam a noção de que representavam «o sangue dos heróis que se sacrificaram pela pátria» (um claro apelo militarista) e os campos verdes de Portugal (um claro apelo nacionalista). Ou o racismo bacoco e contrário ao «espírito português», já que Portugal, pelas mãos do Marquês de Pombal, em 1761, aboliu a escravatura. Duzentos anos de Abolocionismo mas que chocavam com a necessidade de justificar um Império colonial risível e uma guerra suicida contra pessoas que ligitimamente apenas queriam serem donas da sua casa e vida. Ainda agora pagamos os custos culturais (outros custos, como os financeiros e sociais, são abordados no artigo anteriormente referido) dessa distorção e a rica História de Portugal com quase 900 anos é esquecida e negligenciada pela geração que lutou contra o Regime Político salazarista e contra tudo quanto a ele estava relacionado.

  

 Na Alemanha, o partido liderado pelo Cabo da Baviera distorceu a riqueza da Cultura musical, filosófica e mitológica do país. Nascido na Áustria, lutou na I.ª Guerra Mundial ao lado do Exército Alemão na Divisão da Baviera (de onde era oriunda a sua família materna). Tendo sido vítima de um ataque com Gás, assistiu às mortes dos seus companheiros enquanto ele próprio nada sofreu fisicamente. Mas as marcas psicológicas foram profundas e ficou com Cegueira Histérica (apesar de fisicamente nada ter). Foi retirado a essa condição psicológica debilitante por um psicólogo que o convenceu de que tinha sobrevivido por ter uma missão na vida e que a sua «cegueira» impossibilitaria. O Cabo com o bigode ridículo absorveu de tal forma esta noção que a sua visão voltou e virou-se para algo pelo qual nunca antes tinha mostrado interesse (era um pintor de pouco sucesso antes da guerra): a Política. Com as sérias consequências que daí advieram. A própria idiotice do regime e dos seus alicerces teóricos conduziria à sua destruição (Einstein é um exemplo paradigmático) mas foi infelizmente necessário que 6 milhões de pessoas morressem antes disso.

 

Campo de concentração de Sachenhausen

A (agora) infame frase «Arbeit macht frei» («O Trabalho dá/faz livre») foi mais uma dessas apropriações cancerosas feita pelo regime desse pequeno cabo da Baviera que seria o primeiro na fila para a aniquilação pelos seus sequazes caso os critérios de extermínio do seu regime a todos abrangesse. Ele era o perfeito exemplar de tudo o que não era o «Ariano» fictício por ele imaginado, com o seu cabelo escuro e fraco, o físico magro, baixa estatura, a doença de Parkinson precoce...

Foi colocada à entrada de vários Campos de Concentração (mas não de todos: o campo de Buchenwald, perto da cidade de Weimar, Alemanha, tinha a inscrição «Jedem das Seine» («A cada um o que é seu»): dos 400 existentes, «apenas» em Dachau (Alemanha)Gross-Rosen (Polónia)Sachsenhausen (Alemana), Theresienstadt (República Checa) e Fort Breendonk (Bélgica).   

A frase surgiu como título de um livro, da autoria de Lorenz Diefenbach, de 1873 no qual jogadores e burlões deixam para trás os seus vícios depois de se dedicarem a trabalhos honestos e meritórios. Eis como a mais nobre das intenções é deturpada e usada para fins contrários à sua intenção original. 

 

Como é usual em pessoas de pequena estatura moral e intelectual, os acéfalos nacional-socialistas roubaram a criatividade de uns para fingirem ter o brilho que não tinham. 





Publicado por Mauro Maia às 19:06
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 12 de Setembro de 2012
Escadas ácidas

Cada vez mais se fala de engenharia genética, manipulação de genes, genoma humano, biotecnologias...

Mas, como é cada vez mais comum nesta sociedade globalizada que mistura/confunde «entretenimento» com «informação» e em que «atualidade» suplanta «rigor» na seleção noticiosa, fala-se de temas importantes sem esclarecer os conceitos básicos sem os quais não há verdadeiro entendimento. É como tentar fazer uma receita não se sabendo ao certo que cogumelos são referidos mas colocando alguns que crescem no quintal porque «deve dar tudo no mesmo». Mas nem todos os cogumelos são iguais...

 

Na base de todos estes temas «atuais» está o ADN/DNA (também o ARN/RNA, que tem como principal missão transferir a informação do ADN para a célula para gerir a sua atividade e produzir as substâncias necessárias) e os genes que são pequenas porções do ADN ligadas a uma característica específica do corpo (se bem que normalmente é necessário mais de um gene para especificar algo concreto como a cor dos olhos e não haver uma distinção clara no ADN onde acaba um gene e começa outro).

Mas quantas pessoas sabem exatamente o que é este conjunto de 3 letras? Muitos saberão que ADN é a versão em Língua Portuguesa de DNA. Alguns outros que ADN significa «Ácido Desoxirribonucleico» (ou Deoxyribonucleic acid em Inglês). Nome comprido/imponente mas o que é exatamente? É um ácido?!

 

De forma simples, o ADN é uma longa molécula existente em todos os seres vivos desde os que têm apenas uma célula até aos que têm biliões (trillions em Inglês, como visto no artigo Cardinando) e que serve como planta de construção para o corpo, para o seu funcionamento ao longo da sua vida e para se reproduzir. Foi primeiro identificado (sem que se soubesse o papel vital que tem) pelo médico suíço Friedrich Miescher em 1869. Como se encontra dentro dos núcleos celulares, chamou-le «nucleíno». Poucos anos depois, o bioquímico alemão Luwig Albrecht Kossel isolou cinco dos constituintes do ADN (as bases): Adenosina, Citosina, Guanina, Timina (no ADN) e Uracilo (no RNA). É a presença da Timina que permite ao ADN formar a Dupla Hélice tão característica em vez da forma linear do RNA que tem Uracilo em vez de Timina. 

 

A diferença entre o ARN (Ácido Ribonucleico) e o ADN (Ácido Desoxirribonucleico) não se esgota na presença da base nucleótida U em vez da T. O próprio nome refere apenas que o primeiro é Ribonucleico e o segundo Desoxirriblonucleico:

.:. ambos são «nucleicos» por se encontrarem no núcleo;

.:. ambos têm «ribose» na sua estrutura (todas as substências cujo nome termina em «-ose» são açúcares: sacarose, frutose, lactose, ribose,..) .:. mas um tem uma ribose completa e o outro uma desoxirribose. É uma desoxirRibose por não ter (des-) um átomo de oxigénio (-oxi-) que a ribose tem. Se o ADN fosse uma escada, as bases que codificam a informação (ACGT) eram os degraus e a desoxirRibose formava os braços da escada.


E agora a pergunta essencial: e é um ácido? Como podems viver com ácidos em cada uma das nossas células? O estômago tem Ácido Clorídrico para a digestão e tem de renovar constantemente as suas paredes internas para substituir o que é corroído pelo ácido usado no processo de digestão. E nem falemos no Ácido Sulfúrico a na chuca ácida que corrói as estátuas e monumentos de pedra! 

Bem, como os cogumelos, nem todos os ácidos são iguais e apenas uma característica liga todas as substâncias que se designam por ácidos e que as não-ácidas não têm.  A palavra «ácido» vem do Latim «acidus» (verdadeiramente surpreendente esta ligação!) que significa «amargo». Mas nem todos os ácidos têm um sabor amargo (e outros não convém provar para saber a que sabem) e nem todos os ácidos são líquidos (o ácido tartárico, presente no vinho e usado na culinária, surge em forma de cristais sólidos). Na forma líquida, os ácidos têm um pH inferior a 7 mas, como há acidos que não líquidos, a definição de pH não será a melhor para os caracterizar (se bem que já há formas de medir o pH de substâncias sólidas).

pH é uma medida da acidez de uma substância. O «p» refere-se ao «simétrico do logaritmo» e o H à concentração de iões H+ (ou seja, um único protão livre). Quantos mais protões livres a substância libertar na água, maior é o H, menor o pH e mais ácida é a substância. O curioso da escala pH é que o neutro é 7 e não 0! Isso é porque a água pura, à temperatura de 25ºC (a temperatura «normal» de referência) produz naturalmente tantos iões H+ como OH- (quantos mais H+ mais ácida a substência e quantos mais OH- mais básica/menos ácida é). A água tem a foma química H2O e espontaneamente dissocia alguma dessas molécuas em H+ e OH-. Por isso a escala «começa» em 7. 

 

Mas o que tem isso a ver com o ADN/ARN? Há tantas bases no ADN/ARN (as referidas A, C, G, T/U) que é estranho que seja/m ácidos. Mas mesmo no ainda no século XIX (nos últimos anos do século e pouco depois de ter sido descoberto, o patologista alemão Richard Altmann determinou a acidez do ADN, em conformidade com o ácido fosfórico do qual deriva. Apesar da existência de vários pares de bases na molécula, não há equilíbrio entre a libertação dos iões OH- e dos H+, prevalecendo estes devido aos grupos com fosfato (os que herda do ácido fosfórico) que contem.

 

Eis então porque temos ácido (desoxirribonucleico) a correr nas nosas veias...



Eis uma sugestão interessante de «.» para um página virtual que permite fazer esboços (para ilustrar uma ideia ou apenas rabiscar):Sketch.

Vem na sequência de uma conversa já antiga entre nós sobre a possibilidade de os comentários permitirem não só texto como imagens...



Publicado por Mauro Maia às 11:24
Atalho para o Artigo | Cogitar | Outras cogitações (4) | Adicionar aos favoritos

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Olá Ribeiro. Eis um link atualizado para a folha d...
Seria possível fornecer um link atualizado para o ...
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005