Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Sábado, 15 de Outubro de 2005
Cafea est optima amica
TrimetilxantinaCostuma-se pensar no cão como o «melhor amigo do Homem» e no bacalhau como o «fiel amigo». E no entanto não se refere aquela que é verdadeiramente indispensável à vida de milhões de pessoas.
É a muito estimada e valorizada trimetilxantina.
A maioria das pessoas deveria andar na carteira com uma fotografia desta sua melhor amiga. Faz companhia quando se vai tomar café, aquece quando se bebe um chá, consola quando se descarrega as mágoas numa barra de chocolate, agita quando se almoça num «pronto-a-comer»...
A identidade desta super-heroína, que a todos acorre nos momentos de aperto, é de todos conhecida: a cafeína, que tem como «BI químico» C8H10N4O2.

Na sua forma pura, a cafeína é um pó formado por pequenos cristais, branco e com um sabor muito amargo. Em termos médicos, é usado como estimulante cardíaco e como diurético.

A cafeína é um alcalóide e pertence à família das xantinas (que inclui a teobromina, presente principalmente no chocolate). As xantinas no organismo são convertidas por uma enzima específica em ácido úrico (daí o efeito ligeiramente diurético da cafeína).
As plantas produzem cafeína como um pesticida natural para matar os insectos que delas se alimentem, uma vez que estes não têm fígados para filtrar e tornar inóqua a cafeína.

A cafeína encontra-se nos grãos de café, nas folhas de chá (no preto e também no verde), na nozes de cola, nas bagas de guaraná e, em menores quantidades, nos grãos de cacau.
Outros nome para a cafeína são Guaraná e Mateína.
No chá, além da cafeína, há outra xantina quimicamente semelhante, a teofilina.
A principal fonte de consumo humano de cafeína é o café, bebida preparada com grãos de café. Há duas espécies de planta do café, a Arábica e a Robusta, tendo as variedades da primeira espécie menos cafeína do que as da segunda. Há outras bebidas que contêm cafeína, quer naturalmente quer por adicionamento artificial. As quantidades de cafeína variam conforme o produto em questão:

Café:
Grãos de café~ de cafeteira - 130 a 680 mg/litro;
~ descafeinado - 13 a 20 mg/litro;
~ instantâneo - 130 a 400 mg/litro;
~ expresso (feito com Arabica) - 1,36 g/litro;
~ expresso (feito com Robusta) - 3,4 g/litro;

Chá
~ preto - 100 a 470 mg/litro;
~ verde - 8 a 30 mg/saqueta;
~ descafeinado - 1 a 4 mg/saqueta;
~ camomila - 0 mg/litro;

Chocolate
Nozes de cacau~ a quantidade de cafeína presente no chocolate é demasiado pequena para ter qualquer efeito sobre o organismo. No entanto, a teobromina que contém é tóxica para cavalos, cães, gatos, papagaios (e outras aves) e pequenos animais. Se lhes forem dado chocolate, a teobromina permanecerá na sua corrente sanguínea durante 20 horas, uma vez que não conseguem processar a teobromina. Podem então ter ataques epilépticos, ataques cardíacos, hemorragias internas e eventualmente a morte.

Bebidas energéticas
~ 340 mg/litro;

Na União Europeia os produtos que possuam uma quantidade de cafeína
superior 150 mg/litro têm de incluir um aviso quanto ao seu conteúdo.

A cafeína actua por todo o corpo bloqueando os receptores de adenosina que todas as células têm. A adenosina é uma substância que, na extremidade dos neurónios, diminui a actividade celular nervosa, em particular durante o sono. Como a cafeína tem uma estrutura química semelhante à adenosina liga-se aos receptores de adenosina, bloqueando a sua acção. Como resultado, o nível de actividade das células nervosas não é ajustado às necessidades. Isto causa a libertação de adrenalina. Esta aumenta os batimentos cardíacos, a pressão sanguínea, o fluxo de sangue para os músculos (diminuindo o fluxo para a pele e orgãos internos) e despoleta a libertação de glucose no fígado. Da mesma forma que as anfetaminas, a cafeína aumenta os níveis de dopamina nos neurotranmissores (é este aumento de dopamina que, como o faz as anfetaminas, a heroína e a cocaína, provoca a viciação na cafeína).

A cafeína, no entanto e ao contrário do álcool, tem um efeito de duração curta (é, em média, completamente decomposta em 5 horas). O fígado decompõe rapidamente a cafeína em 3 dimetilxantínas: teofilina (que descontrai os brônquios nos pulmões), teobromina (que dilata os vasos sanguineos) e principalmente paraxantina (que leva ao aumento da lipólise, que aumenta a quantidade de gliceróis no sangue e de ácido gordos).

Como qualquer um que já tenha consumido frequentemente café sabe, a ingestão de cafeína aumenta a sua tolerância, pelo que é necessário maiores quantidades para produzir os mesmo efeitos à medida que se toma regularmente bebidas com cafeína. Quem sofra do vício da cafeína necessita de a tomar, já não para se sentir melhor, mas para não se sentir mal. A retirada brusca de cafeína leva a uma hipersensibilidade à adenosina, o que leva a uma diminuição brusca da pressão arterial (o que provoca as típicas dores de cabeça).

Efeito da cafeína na construção de teiasO excesso de cafeína pode levar à intoxicação.
Os sintomas variam com a quantidade e a pessoa.
Em algumas pessoas 250 mg diárias podem provocar agitação nervosa, excitação, insónia, faces coradas, perturbações gastrointestinais e por vezes alucinações.
1 grama diária pode provocar tiques nervosos, discurso e pensamentos incoerentes, arritmia cardíaca ou taquicardia.

Há casos registados de mortes por intoxicação por cafeína, principalmente ligadas ao consumo de pílulas de cafeína por estudantes e pessoas que trabalham por turnos.
(Num caso nos EUA, um estudante morreu após ingerir 90 dessas pílulas - o equivalente a 5 litros de bicas).
Há também casos de abortos espontâneos, diminuição do crescimento fetal (para doses superiores a 300 mg diárias) e alteração dos batimentos cardíacos do feto.

O excesso de cafeína pode provocar pressão arterial alta (que pode provocar acidentes vasculares cerebrais), vaoconstrição (que pode provocar mãos frias) e aumento da produção de ácidos gátricos (o que pode provocar úlceras no estâmogo e esófago).

A dose letal de cafeína para um ser humano é cerca de 10 gramas.
Mas está mostrado que o consumo de sete ou mais «bicas» por dia diminui o risco de diabetes do tipo II...

A história do consumo de cafeína data de há muitos séculos, com o consumo de chá na China Imperial.
Durante o século 15 os Sufis do Iémen (ver o conto Sufi no artigo Sufi ciente) bebiam café para se manterem acordados durante as orações (!).
No século 16 havia cafetarias no Cairo e em Meca.
No século 17 o café foi introduzido na Europa pelas invasões turcas da Áustria
(como visto no artigo Cappuccino)

Dito isto confesso-me um apreciador de café.
Gosto do paladar, gosto do aroma.
Consumo é muito pouco (talvez uma bica por mês) por três razões:
~ apreciar é consumir pouco. Consumir muito é não apreciar, é engolor por hábito;
~ para que, quando o tomo para aumentar o meu estado de alerta, me faça efeito com uma só bica;
~ para evitar o vício (se há coisa que me perturba é a ideia de depender para um bom estado de espírito de substâncias externas a mim).

Este artigo surgiu na sequência do artigo QUAL O CAFÉ MAIS FORTE? O CURTO OU O CHEIO? do blog Informações úteis.

Em resposta a esta questão a Delta enviou uma resposta à autora, que esta transcreveu.
Informam que a quantidade de cafeína numa «bica» curta é 87 mg, numa normal 94,5 mg e numa cheia 98,1. Mais nada informam. Não referem a taxa a que a cafeína é processada no corpo, a questão (que penso ser a relevante neste caso) de haver ou não uma diferença num maior volume de café.
Insatisfeito com a resposta e como a ideia para este artigo era já antiga, surgiu então este esclarecimento sobre a cafeína.
A resposta a questão colocada parece-me ser a de que a diferença na quantidade de cafeína é pequena (8% - 7,5 mg da bica curta para a normal e 5% - 3,6 mg da normal para a cheia, de acordo com os números fornecidos).
Como já foi referido, o efeito da cafeína depende do peso corporal e dos hábitos de consumo.
Acresce-se que não interessa a suposta «diluição» nas bicas cheias.
É verdade que há mais água mas há proporcionalmente mais cafeína.
A concentração é a mesma.
A quantidade é que é maior.
Para quem tome regularmente café, parece-me que estas quantidades não são muito diferentes em termos de efeitos.
Mas a diferença de quantidades entre a «curta», «normal» e «cheia» é aproximadamente igual à diferença de quantidade de cafeína entre tipos diferentes de descafeinados (cujo conteúdo de cafeína varia entre 13 e 20 mg, ou seja, uma diferença de 7 mg).
Se não se sente a diferença entre tomar um descafeinado de uma marca ou outra,
não me parece que a diferença entre os 3 tipos de volume seja sentida de qualquer forma.

No título «O café é o melhor amigo»


Publicado por Mauro Maia às 15:23
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

23 comentários:
De Maria Papoila a 15 de Outubro de 2005 às 21:48
Viva a lição de química fisiológica e a conclusão do artigo, qualquer dependência é de evitar. Realmente o chá para além de cafeína também tem teofilina a tal outra xantina. Essa para além destes efeitos tem também o efeito bronco dilatador e é por isso que o chá faz bem á gripe...desculpa lá a intromissão. Beijo


De Maria Papoila a 15 de Outubro de 2005 às 21:50
volto só para dizer que senti alguma falta da citação em latim...Beijo


De Mauro a 15 de Outubro de 2005 às 22:48
Maria Papoila, não te desculpo a intromissão, agradeço-ta. Complementos e correcções aos artigos são sempre bem vindos. A verdade tem muitas moradas. A falta do latim no título foi meramente porque, por descuido, publiquei o artigo antes de ter colocado o artigo e a maioria das imagens. Como vês, estão já nas suas posições devidas. (A questão do efeito do chá nos brônquios está também no artigo. Refere-se a existência no chá de teofilina e mais à frente que esta descontrai os brônquios dos pulmões)


De MANELA a 15 de Outubro de 2005 às 23:52
sendo novata nestas paragens,não esperava encontrar, em um só espaço,tanta informação,tantos pontos de interesse.estou pura e simplesmente pasmada!!!!!!!OBRIGADO


De Mauro a 16 de Outubro de 2005 às 00:24
Agradeço-te a visita, o comentário e em especial o apreço pelo Cognosco, Manuela. Serás sempre bem-vinda.


De Elsita a 18 de Outubro de 2005 às 11:19
Parabens Mauro, um artigo que me fez sorrir inicialmente, mas que ao continuar me fez pensar na quantidade de cafés que tomo e as suas consequências...enfim: os malefícios do café/cafeína...
A introdução do artigo foi explêndida!Criando nos leitores e falo por mim; uma tentação de querer saber mais e mais e absorver cada palavra com entusiasmo. Gostei imenso, e ainda bem que pude ser a fonte de inspiração. O de hoje fala da "Famosa" Gripe das aves. Obrigada pelas tuas visitas e por nos proporcionares o contacto com temas tão interessantes e actuais, de uma forma generosamente bem elaborada.Fica bem.


De Mauro a 19 de Outubro de 2005 às 10:33
A quase omnipresente cafeína é uma companhia com duas faces: mostra-nos a sua cara boa quando a bebmo e a sua cara má quando nos queremos afatar. E é sempre de desconfiar de quem nos sorri com uma trela pronta a colocae-nos...


De Rui a 19 de Outubro de 2005 às 13:41
E os descafeínados, onde entram em tudo isso? São mesmo "saudáveis"? Será que se limitam a retirar a cafeína, ou substituem por qualquer outra substância manhosa?


De PN a 20 de Outubro de 2005 às 13:53
Sim, senhor, fiquei a saber imenso sobre café.


De Nox a 20 de Outubro de 2005 às 18:15
Quando li o artigo fiquei um pouco confusa, porque a minha ideia prévia era de que a família da cafeína era a das xantinas (mais precisamente a das alquilxantinas naturais ou metilxantinas, como mencionado posteriormente) e não das xantaínas, embora isso possa ser apenas um preciosismo de linguagem... Além disso, também já tinha lido que da metabolização da cafeína resulta que 1% acaba por ser excretado sob a forma não alterada e que o restante é excretado como 1-metilxantina e ácido 1-metilúrico, e não como teofilina, teobromina e paraxantina. Algum esclarecimento...?


Comentar artigo

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
achei muito interessante essa sua forma de ver a l...
Obrigado, Desejo um bom 2014 também.
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
45 comentários
Artigos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Agosto 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005