Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Segunda-feira, 11 de Julho de 2005
Olivença amata filia
OlivençaA Vila de Olivença, em frente de Jeromenha e a 12 km do Guadiana, foi conquistada, em 1228, aos mouros, por D. Afonso Henriques. O expansionismo do reino de Castela ameaçou deste logo a presença dos portugueses no lugar. O assunto foi resolvido no Tratado de Alcanises, em 1297.</p>

Pressentindo o perigo, que corria do lado de Castela, o rei D. Dinis mandou povoá-la e fortificou-a com o seu altaneiro castelo e cintura de muralhas (1298).</br></br>

Face a novas ameaças, D. Afonso V (1438-81), mandou reparar as suas muralhas e ampliar a cerca muralhada. O aumento da sua população tornava imperioso esta medida.</br></br>

D. João II concedeu-lhe um brasão de armas, e mandou erigir a torre de menagem no centro do castelo (1488). No reinado de D. Manuel (1495-1521), reedificou-se toda a estrutura de defesa da vila, construindo-se uma ponte sobre o Gaudiana, permitindo uma melhor ligação com Elvas.</br></br>

A formação que entretanto ocorrera do reino de Espanha (1492), passou a constituir uma ameaça redobrada. O seu fanatismo religioso, aliada a uma crueldade sem limites passou a representar um perigo para a Europa, não apenas para Portugal.</br></br>

Após a restauração da Independência de Portugal do domínio de Espanha (1580-1640), Olivença passa a estar no centro das incursões do sanguinário exército espanhol, onde abundavam mercenários estrangeiros. A população de Olivença é por diversas vezes vítimas de massacres e saques, mas resiste. As suas muralhas são reforçadas, sob a direcção de Matias de Albuquerque. Estas obras foram custeadas pelo próprio povo de Olivença.</br></br>

Durante 16 anos, os espanhóis tentaram tomar a vila: Entre os torcionários espanhóis que comandavam estas investidas registam-se as do marquês de Toral (1641), marquês de Leganés (1645), o mercenário e jesuíta flamengo Cosmander (1648). Todas estas tentativas foram frustadas. Em 1657, o mercenário italiano ao serviço de Espanha, o Duque de San Germano, á frente de 8.000 homens teve maior exito e tomou a vila.Dez anos depois, os espanhóis voltam a sair daquilo que se haviam assenhorado, sob o comando de um mercenário. Olivença voltava a fazer parte de Portugal.

In imigrantes.no.sapo.pt/page6.Olivenca1.html</br></br>
E no entanto a cidade de Olivença não se encontra presente no mapa de Portugal. Encontra-se no lado espanhol da fronteira. O que aconteceu a tão lusa terra, conquista pelo mui igrégio D. Afonso Henriques?</br></br>

A resposta a esta questão é um permanente celeuma nas relações internacionais entre Portugal e Espanha. Comparada com Olivença a eterna dor da saudosa Ceuta é uma simples comichão sem consequências (ver o artigo Ceuta aeterna dolor sobre esta questão).</br></br>

Em 1801 a Espanha e a França assinam um tratado de invasão de Portugal para o obrigar a abandonar a Aliança Luso-Britânica e fechar os seus portos à navegação da Grã-Bretanha, como decretado pelo Bloqueio Continental à Inglaterra determinado por Napoleão. Portugal não cede e a Espanha declara guerra a Portugal. As tropas espanholas invadem o Alentejo, ocupando Olivença, Juromenha e, alguns dias depois, Campo Maior. Celebra-se então o Tratado de Paz de Badajoz entre Portugal e a Espanha (e a França). Por este tratado, assinado perante a ameaça de invasão das tropas francesas estacionadas em Ciudad Rodrigo, Portugal cedia Olivença à Espanha, fechava os portos aos navios britânicos, pagava à França uma indemnização de 15 milhões de libras tornesas e aceitava as fronteiras da Guiana até à foz do Rio Arawani.</br></br>

O Tratado de Badajoz estipulava que a violação de qualquer dos seus artigos conduziria à sua anulação.</br></br>

No entanto, em 1807, é assinado pela Espanha e pela França o Tratado de Fontainbleau que previa a ocupação de Portugal. As forças Espanholas e Francesas iniciam a ocupação de Portugal, obrigando a Família Real a transferir o governo para o Brasil. Assinando o Tratado de Fontainbleau e invadindo Portugal, a Espanha provoca a anulação do Tratado de Paz de Badajoz, perdendo os direitos que poderia ter adquirido sobre Olivença.</br></br>

Em 1808 e 1809, Portugal repudia pública e internacionalmente o Tratado de Badajoz, anulado pela invasão de 1807. Em 1810, o Tratado de aliança e amizade Luso-Britânico estipula que a Grã-Bretanha se compromete a auxiliar Portugal a recuperar Olivença, recebendo em troca a exploração, por 50 anos, dos estabelecimentos portugueses de Bissau e Cacheu.</br>
No mesmo ano Portugal negoceia com o Conselho da Regência de Espanha um tratado, pelo qual Olivença nos era restituída.</br></br>

Em 1811 o Exérciro português ocupa militarmente Olivença. Beresford, marechal britânico que ocupava o posto de general em chefe do exército português, mandou reentregar Olivença às autoridades espanholas, provavelmente para a Grã-Bretanha não perder as vantagens que retiraria do tratado luso-britânico de 1810. Mas em 1814 o Tratado de Paris, pelo artigo 3º dos adicionais, declara nulos e de nenhum valor os Tratados de Badajoz e de Madrid de 1801 e em 1815 o Congresso de Viena, através do seu artigo 105º reconhece os direitos portugueses ao Território de Olivença.</br></br>

Em 1817 a Espanha assina o Tratado de Viena, «reconhecendo a justiça das reclamações formuladas por Sua Alteza Real, o Príncipe Regente de Portugal e do Brasil, sobre a vila de Olivença e os outros territórios cedidos à Espanha pelo Tratado de Badajoz de 1801» e comprometendo-se a efectuar «os seus mais eficazes esforços a fim de que se efectue a retrocessão dos ditos territórios a favor de Portugal» o que deveria «ter lugar o mais brevemente possível.»</br></br>

Em 1840, a Língua Portuguesa é proibida no Território de Olivença, incluindo nas igrejas.

Portugal juridicamenteAté aos dias de hoje, Olivença espera ainda ser devolvida a Portugal. Os seus habitantes ainda falam Português e a nossa cultura ainda lá persiste. Mas ao longo do século XX (e principalmente durante a Guerra Civil Espanhola) muitos habitantes defensores da reintegração no território português foram silenciados.</br></br>

Em 20 de Maio de 2001, passaram 200 anos desde a ocupação de Olivença por Espanha.</br></br>

Porque, em pleno século XX, e com a abolição das fronteiras do Acordo de Schengen, esta questão é ainda importante?</br></br>

~ Portugal detém a fronteira mais antiga da Europa, desde 1297, e Olivença está incluída;</br>
~ O acordo em que Portugal entregou Olivença a Espanha foi anulado pela própria Espanha, que posteriormente já se comprometeu a devolver a Vila;</br>
~ Após 200 anos de repressão da cultura Portuguesa, ainda há em Olivença quem fale a nossa língua e se considere Português.</br></br>

A questão não é anti-Espanha, é pró-Portugal.</br></br>

A História, o Direito, a Cultura, a Civilidade tornam Olivença portuguesa.</br></br>

Quando fará o mesmo a Política?



Publicado por Mauro Maia às 22:32
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

3 comentários:
De Rata Zinger a 12 de Julho de 2005 às 14:30
Gosto muito de mapas. Está muito fixe. Olivença, a filha amada... :-) Muito bem. Ainda bem que o blog não parou!


De lua_sol a 12 de Julho de 2005 às 17:57
Lindddoooo!!! Se queres um template diferente daqueles que o sapo disponibiliza, vai ao meu blog, lá encontarás com certeza algum que gostes e se não gostares farei um a teu gosto. Fico à espera. Boa sorte para o blog!!!!!


De kamaruana a 12 de Julho de 2005 às 20:13
Bom, talvez seja melhor não levantarmos muito esta questão, porque os espanhóis ainda nos entregam Olivença e então serão mais uns quantos que têm de pagar a pagar IVA 21%, custo de vida elevado, ordenados baixos, ou ainda a engrossarem o desemprego, etc. Sejamos solidários com o próximo. Se e quando Portugal tiver condições minimas para os receber então vamos reclamar que Olivença passe para este lado. Até lá o melhor ( para eles e para nós, é assobiarmos para o ar. Só espero que Espanha não decida fazer lá um referendo sobre uma possivel desanexação. O resultado, creio, seria vergonhoso para o espirito lusitano.


Comentar artigo

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
achei muito interessante essa sua forma de ver a l...
Obrigado, Desejo um bom 2014 também.
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Agosto 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005