Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Domingo, 10 de Julho de 2005
Eros e Psique
Eis um mito grego clássico (adoptado pelos romanos como Psique e Cupido) que prendeu a imaginação de muitas pessoas ao longo da História e serviu de inspiração a muitos contos modernos.</br></br>

Psique e CupidoPsique era a mais nova de três princesas irmãs . As três eram muito belas mas ela era a mais belas das três. A sua beleza era tanta que as pessoas de vários reinos iam admirá-la prestando-lhe homenagens que antes eram de Afrodite. Profundamente ofendida e enciumada, Afrodite enviou o seu filho Eros para fazê-la apaixonar-se pela criatura mais feia e horrível de toda a terra. Mas Eros ao ver a sua beleza apaixonou-se por ela.</br></br>

O Rei, pai de Psique, suspeitando que, inadvertidamente, havia ofendido os deuses, resolveu consultar o Oráculo de Apolo, porque as suas outras filhas já tinham casado e Psique permanecia solteira. O Oráculo ordenou ao rei que a enviasse para o topo da montanha onde casaria com uma terrível serpente. A jovem aterrorizada foi levada ao pé do monte e abandonada por seu pesarosos parentes e amigos. Conformada com seu destino, Psique adormeceu foi levada pela brisa do gentil Zéfiro para um lindo vale.</br></br>

Quando acordou caminhou por entre as flores até chegar a um palácio magnífico. Notou devia ser a morada de um deus tal a perfeição que podia ver em cada um dos seus detalhes. Curiosa entrou no deslumbrante palácio, onde todos os seus desejos foram satisfeitos por ajudantes invisíveis, dos quais só podia ouvir a voz. Quando anoiteceu foi conduzida pelos criados a um quarto de dormir.</br></br>

Adormeceu e a meio da noite uma beijos e carícias acordaram-na ternamente e cobriram-na de carícias. A noite passou e quando acordou o seu marido tinha desaparecido. Essa mesma cena repetiu-se nas noites seguintes. Por várias vezes lhe pediu para a deixar vê-lo mas ele recusava perguntando-lhe se duvidava do seu amor ou se lhe faltava alguma coisa. Disse-lhe que se o visse podia adorá-lo ou odiá-lo e que queria o seu amor como era naquele momento. </br></br>

Psique concordou mas sentia saudades da sua família. Pediu então ao seu marido para ver os seus pais e as suas irmãs. O seu marido acabou por concordar que as suas irmãs podiam visitá-la. Ordenou então a Zéfiro que as trouxesse. Quando as suas irmãs entraram no castelo e viram aquela abundância de beleza e maravilhas, sentiram muita inveja. Notando que o esposo de Psique não as recebera perguntaram-lhe sobre ele. Ela inicialmente mentiu dizendo que era um belo príncipe que passava os dias a caçar. Mas acabou por confessar que nunca o tinha visto.</br></br>

O seu marido tinha-a alertado que as suas irmãs queriam que ela visse a sua face mas se assim o fizesse ela nunca mais o veria. Além disso ele tinha-lhe contado que ela estava grávida e se ela conseguisse manter o segredo a criança seria divina mas se ela falhasse ele seria mortal. Ao receber novamente as suas irmãs, Psique contou-lhes que estava grávida e que a sua criança seria divina. As duas ficaram ainda mais enciumadas pois além de todas aquelas riquezas ela era a esposa de um deus. decidiram por isso convencê-la a ver o rosto do marido. Se ele o estava a esconder era porque havia algo de errado: ele realmente deveria ser uma horrível serpente e não o deus maravilhoso que dizia ser.</br></br>

Assustada com o que suas irmãs lhe disseram escondeu uma faca e uma lâmpada ao pé da cama, decidida a conhecer a identidade de seu marido. Se ele fosse realmente um monstro terrível matá-lo-ia. À noite, quando Eros dormia ao seu lado, Psique aproximou a lâmpada do seu rosto. Estava à espera do horrível monstro de que falara o Oráculo mas para sua surpresa viu um jovem de extrema beleza. Não era nenhum monstro, era o próprio Eros que dormia ao seu lado. Enfeitiçada por sua beleza admirava o deus alado quando uma gota de azeite quente caiu sobre o ombro direito de Eros, acordando-o. Eros olhou-a e sem dizer uma palavra voou pela janela do quarto. Psique tentou segui-lo mas acabou por cair da janela para o chão. Eros voltou então atrás e disse-lhe:</br></br>

«Tola Psique! É assim que retribuis o meu amor? Depois de ter desobedecido às ordens da minha mãe e te casado contigo, tu retribuis achando que eu era um monstro e disposta a cortar a minha cabeça? Vai. Volta para junto de tuas irmãs, cujos conselhos pareces preferir aos meus. Não te imponho outro castigo para além de te deixar para sempre. O amor não pode conviver com a suspeita.»</br></br>

Quando Psique se recompôs, notou que o lindo castelo à sua volta desaparecera e que se encontrava num campo próximo da casa das irmãs que, quando souberam do que acontecera, fingiram tristeza pela irmã enquanto escondiam no coração uma grande exultação. Estavam decididadas a serem escolhidas por Eros para substituir a irmã e por isso partiram para o topo da montanha pensando em conquistar o amor do deus. Lá chegadas chamaram o vento Zéfiro para que as sustentasse no ar e as levasse até ao seu amo. Mas Zéfiro desta vez deixou-as cair a meio do vôo e a sua inveja foi recompensada pela morte.</br></br>

Psique, resolvida a reconquistar Eros, saiu à sua procura por todos os cantos da terra, dia e noite. Pediu ajuda a todos os deuses e Deméteracabou por lhe dizer podia aplacar a ira de Afrodite. Psique devia ir ao templo de Afrodite e prostrar-se perante ela. Mas Afrodite, ao recebê-la no seu templo, não escondeu a sua raiva. Afinal tinha sido por causa daquela reles mortal que o seu filho tinha desobedecido às suas ordens e que agora se encontrava de cama a recuperar da tristeza que ela tinha provocado. Como condição para o seu perdão, a deusa impôs uma série de tarefas que Psique deveria realizar, tarefas extremamente difíceis que podiam até causar a sua morte.</br></br>

Deveria, antes do anoitecer, separar uma grande quantidade de grãos misturados de trigo, aveia, cevada, feijões e lentilhas. Psique ficou assustada diante de tanto trabalho, porém uma formiga que estava próxima, ficou comovida com a tristeza da jovem e convocou seu exército que separou cada uma das qualidades de grão. Afrodite desconfiou que não tinha sido Psique a realizar tamanha tarefa.</br></br>

Por isso, como segunda tarefa, Afrodite ordenou que fosse até as margens de um rio onde ovelhas de lã dourada pastavam e trouxesse um pouco da lã de cada carneiro. Psique estava disposta a cruzar o rio mas o deus dos rios disse-lhe que não atravessasse as águas do rio até que os carneiros se pusessem a descansar sob o sol quente. Se não fizesse isso ela seria atacada e morta pelos carneiros. Assim Psique esperou até o sol ficar bem alto no horizonte, atravessou o rio e levou a Afrodite uma grande quantidade de lã dourada. Novamente Afrodite não ficou satisfeita.</br></br>

Para terceira tarefa teria subir ao topo de uma alta montanha e trazer a Afrodite uma jarra com a água escura que do seu cume. Quando Psique lá chegou encontrou um dragão que guardava a fonte. Mas uma grande águia ajudou-a e encheu a jarra com a água negra. Psique levou então a água a Afrodite.</br></br>

Furiosa com o sucesso da jovem, Afrodite planeou uma última tarefa. Psique deveria descer ao mundo inferior e pedir a Perséfone que lhe desse um pouco da sua beleza. Desesperada subiu ao topo de uma elevada torre decidida a atirar-se para assim puder alcançar o mundo subterrâneo. A torre porém murmurou-lhe como entrar no reino de Hades através de uma caverna secreta. Ensinou-lhe ainda como ultrapassar os diversos perigos da jornada, como passar pelo cão Cérbero. Deu-lhe também uma moeda para dar a Caronte como pagamento pela travessia do rio Estige, o rio que leva as almas penadas para o Inferno. Mas avisou-a de que quando Perséfone lhe desse a caixa com a sua beleza Psique não devia olhar para dentro da caixa pois olhos mortais não aguentavam a beleza dos deuses. Seguindo os conselhos da Torre conseguiu chegar até Perséfone e recebeu dela a caixa com o precioso tesouro. Porém no caminho de regresso cheia de curiosidade abriu a caixa para ver o que tinha. Mas invés de ver a beleza de Perséfone caiu num profundo sono. Mas Eros, já curado, voou ao socorro de Psique e conseguiu retirar-lhe o sono que a prendia, salvando-a.</br></br>

Mas uma vez a sua curiosidade tinha-a colocado numa péssima situação mas agora, com a sua ajuda, podia apresentar-se a Afrodite com a tarefa cumprida.</br>
Enquanto isso, Eros foi ao encontro de Zeus e implorou-lhe que apaziguasse a sua mãe Afrodite e ractificasse o seu casamento com Psique. Atendendo ao seu pedido, o grande deus do Olimpo ordenou que Hermes conduzisse a jovem à assembleia dos deuses e que lhe fosse oferecida uma taça de ambrósia, a bebida dos deuses. Então com toda a cerimónia Eros pode ficar ao lado de Psique e do seu filho, chamado Voluptas (Prazer).
</br></br>

Portanto temos uma história sobre um jovem muito bonita, vítima das invejas familiares, que conhece um jovem por quem se apaixona, que é ajudada por pequenos seres nas suas tarefas, que no final casa com o jovem e é feliz para sempre.</br>
Eis as histórias infantis da Branca de Neve, a Cinderela, a Bela e o Monstro em toda a sua glória clássica...</br></br>

Para um outro mito clássico com algumas reflexões minhas ver Pandora


Publicado por Mauro Maia às 17:02
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

4 comentários:
De Lady Nox a 11 de Julho de 2005 às 16:27
A imagem não é da estátua de Canova...?


De Mauro a 11 de Julho de 2005 às 18:32
Devo confessar que desconheço o autor desta estátua específica de Eros e Psique. Mas não me parece que esta imagem seja a da estátua de Canova no Museu do Louvre. Se repararmos nas asas do Cupido (Eros) veremos que a estátua representada aqui no blog tem as asas mais curtas e arredondadas do que as do de Canova. O autor, alas, desconheço. Há muitas estátuas semelhantes a esta e por isso é difícil identificar o autor. Canova, no entanto, não parece ser, apesar de eu preferir a sua. Mas a extensão das asas de Eros levou-me a não a incluir como imagem do artigo. São todas semalhentes (as deste tipo específico, com Psique deitada e Eros abraçando-a) mas eu prefiro as asas de Canova.


De Margarete a 8 de Maio de 2009 às 20:25
Isso é um trabalho meu (NAY).


De Mauro a 9 de Maio de 2009 às 10:33
A história de Eros e Psique foi, pela primeira vez, contada no século II DC, por Lucius Apuleius. Não sei em que medida dizes que isto é um trabalho teu, limitei-me a descrever esta história com 19 séculos. Muitos são os autores que a contaram e recontaram. Não fui o primeiro, nem foste a primeira e, felizmente, não seremos os únicos.


Comentar artigo

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Olá Ribeiro. Eis um link atualizado para a folha d...
Seria possível fornecer um link atualizado para o ...
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005