Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Sexta-feira, 10 de Junho de 2005
Expectativa e Intencionalidade
Um dia, ao balcão de um café, a empregada comentava com alguém
« (...) subir para cima (...) ».
A interlocutora retorquiu-lhe: «Se sobe é para cima, não se desce para baixo!


Qualquer um concordará com a interlocutora. Há, na expressão «Subir para cima», uma redundância de ideias desnecessária à compreensão da frase.

E, no entanto, se perante um texto literário, uma análise ao mesmo tipo de discurso não suscitaria a mesma reacção.
E.g. A análise a um poema onde se dissesse, algures num verso, «sobe para cima» interpretaria esse uso como uma figura de estilo (o pleonasmo, que reforça um ideia pela repetição de conceitos similares), o que enriqueceria o texto.

~ Porque há-de ser diferente a perspectiva sobre o mesmo tipo de discurso? Porque é que a empregada do café não estava também a enriquecer o seu discurso?

A questão das diferentes análises do uso da expressão «subir para cima» poderá não se prender necessariamente com a negação da ideia de que a empregada do café possa enriquecer também o seu discurso. Numa perspectiva imparcial e humanista tanto um autor literário como uma empregada de café podem ambos recorrer a figuras de estilo.

A questão poderá prender-se mais com a expectativa que se terá perante os dois tipos de discurso e não tanto com a expressão em si mesma.

Se o receptor (ouvinte ou leitor) antecipar, por parte do emissor, o uso de figuras de estilo como parte das ferramentas de enriquecimento do discurso, analisará a expressão como uma figura de estilo (num poema «subir para cima» contaria como um pleonasmo).
No entanto perante a expressão oral da mesma frase num outro contexto onde não se antecipa o uso de figuras de estilo como enriquecedoras do discurso analisar-se-á a frase como uma erro de exagero desnecessário à formulação do discurso.

A questão (pressupondo a imparcialidade da análise em relação ao emissor, o que infelizmente nem sempre acontece) prender-se-ia então com a expectativa em relação ao tipo de discurso.
Se a mesma empregada tivesse usado a expressão «subir para cima» mas num poema mudar-se-ia a expectativa perante o discurso e aí também a análise do seu uso.
Se um poeta mantivesse um diálogo não-poético com alguém e usasse essa expressão arriscar-se-ia a que lhe fizessem a mesma observação.

Mas a questão da classificação de expressões como erros gramaticais ou como enriquecimentos do discurso poderá ter ainda uma outra camada de análise.

A análise do uso de expressões do tipo «subir para cima» depende obviamente da intencionalidade com que é usada.

Se a intenção for a de ser usada como enriquecedora do texto será obviamente classificada como uma figura de estilo a respeitar e valorizar como tal, independentemente do seu emissor. Não havendo a intenção enriquecedora não se tratará de uma figura de estilo, tratando-se ou não de um poema ou qualquer outro discurso literário.

É claro que a intenção na produção de um texto está oculta dos seus receptores. Como então surge tão instintivamente a classificação da intenção no uso de determinado tipo de discurso? A expectativa aparece então como a única resposta a esta questão.
Ao ler um poema de Camões espera-se o abundante uso de figuras de estilo devido ao seu frequente uso.
Ao ouvir o discurso de um desconhecido, do qual se desconhece à partida o nível do discurso que deseja produzir, não se espera à partida, por força da média dos tipos de discurso empregues na oralidade, o uso de enriquecedores de texto.

Expectativa e Intencionalidade: eis as duas indissociáveis bases da classificação de um tipo de discurso como enriquecedor do texto em que é empregue.

</i>Esta análise sobre expressões que podem ou não ser figuras de estilo aplica-se outros enriquecedores (ou não) tipos de discurso.
Um exemplo extremo (e por isso potencialmente esclarecedor) é a ausência de pontuação em livros do escritor português José Saramago. Num texto produzido por um jovem em idade escolar seria encarado como uma séria falha no discurso produzido. Em Saramago poderá (não é consensual) ser visto como um enriquecedor do texto.
Qual a diferença? Quem diz que o jovem não é um precoce futuro prémio Nobel da Literatura?
Resume-se à expectativa</u> da intencionalidade...


Publicado por Mauro Maia às 20:08
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

1 comentário:
De fm a 14 de Junho de 2005 às 15:13
É uma perspectiva curiosa sobre o uso de algumas expressões que passam regra geral por erros gramaticais quando proferidas ou escritas pelo mais comum dos mortais. De facto há balizas para que possamos considerar uma palavra ou expressão como erro seja ele gramatical ou sintáctico. A classificação que possa vir a ser feita é gerida a partir do que está convencionalizado e portanto é aceitável pela gramática convencional e institucionalizada. Porém nem sempre é assim. Pois a gestão e a aceitabilidade do que é dito ou escrito passa também necessariamente por quem o diz ou escreve. E Saramago, como o referes, é de facto exemplo disso.


Comentar artigo

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
achei muito interessante essa sua forma de ver a l...
Obrigado, Desejo um bom 2014 também.
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005