Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Sábado, 4 de Junho de 2005
DST
As DSTQue há Doenças Socialmente Transmissíveis chega-se facilmente à conclusão quando se assiste atónito à dissiminação de preconceitos, ideiais erradas, análises parciais,... pelos membros de sociedades aparentemente bem informadas, a maioria dos quais transmitidos pelos Orgãos de «Comunicação» social.</br></br>

Um bom hábito (manter-se informado do mundo e da realidade que cerca um indivíduo) tornou-se, na sociedade actual, um péssimo vício (a absorção passiva de «acontecimentos» que outros julgam importantes).</br></br>

É importantíssimo ter conhecimento dos factos que acontecem pelo Mundo mas hoje em dia poucos têm de facto conhecimento deles. Limitam-se a saber repetir, qual papagaio, os acontecimentos do dia e a saber repetir análises feitas (muitas vezes apressadamente) sem um mínimo de julgamento ou critério pessoal. O que interessa é ouvir as notícias e ter (e dizer) a errónea ideia de que assim se está informado.</br></br>

A pior forma de informação é aquela que, julgando ser abrangente, abarca de facto pouco da verdadeira essência do conhecimento.</br></br>

Qualquer um sabe repetir os números e os factos das notícias diárias mas quantos de facto entendem a importância (ou não) que têm e/ou a sua ligação com as restantes? Quantos de facto filtram, por entre a correnteza de «factos» divulgados, os verdadeiramente importantes e significativos?</br>
Quantos poderão estabelecer a ligação histórica e causal entre as notícias divulgadas em dias em alturas diferentes?</br>
Quantos de facto abarcam a significância das mesmas e com elas estrutaram uma visão do Mundo que lhes permite compreender factos passados e integrar num nexo causal os futuros?</br>
Quantos filtram os acontecimentos e factos relevantes e as fontes mais credíveis dos mesmos?</br></br>

E é neste acéfalo Mundo em que as «últimas notícias» se tornaram a nova droga socialmente aceite (a par do álcool, da nicotina e da cafeína) em que a maioria mergulha e discrimina quem não é um igual viciado que nascem e florescem os preconceitos, as parcialidades, a destruição da língua materna, o esquecimento do passado, a despreparação do futuro, as invejas, os rancores, a falta de valores,...</br></br>

~ As notícias em que um assaltante negro assaltou uma loja mas é simplesmente um assaltante se o mesmo for caucasiano («caucasiano» é o termo que se aplica para quem seria anteriormente designado por «branco». O termo deriva de uma antiga e actualmente desacreditada ideia de que os povos que colonizaram a Europa seriam originários do Cáucaso, uma cadeia montanhosa que serve de fronteira entre a Rússia, o Azerbeijão e a Geórgia e geralmente considerada a linha divisória entre a Europa e a Ásia).</br>
~ Não existe a palavra «massivamente». É uma perfeita anormalidade difundida por um apresentador da televisão do Estado e que surge da incapacidade de entender que em Inglês é «massive» mas que isso não significa que há uma correspondência literal com o Português. É maciçamente.
(Outras diferenças entre o Português e o Inglês ver Cardinando e Está frio aqui)</br></br>

E inúmeros outros exemplos se podem dar e continuamente surgem. Há poucos filtros ao que se ouve, as Sociedades ocidentais têm tendência para estabilizar no patamar mais baixo da intelectualidade humana que é ouvir, acenar com a cabeça e repetir provocações e sentimentos negativos na praça pública.</br>
Que se leia e ouça notícias mas sabendo escolher e peneirar o importante.
Na maioria das vezes tratam-se de exacerbações de acontecimentos de poucca monta para justificar a existência de jornais diários (impressos ou transmitidos).</br></br>

Nunca é demais frisar que se procure a verdade e não a verosimilhança, que se procure o conteúdo e não o aspecto, que se procure a qualidade e não a quantidade, que se procure a essência e não a vacuidade, que se aceite que só o tempo é o juíz dos acontecimentos e que análises apressadas são piores do que nenhuma. </br></br>

Há que ouvir, há que saber, há que ler, há que aprender, há que falar, há que escutar, há que opinar, há que discordar, há que escolher.</br></br>

Tudo isto é verdadeiramente pensar


Publicado por Mauro Maia às 22:46
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
achei muito interessante essa sua forma de ver a l...
Obrigado, Desejo um bom 2014 também.
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Agosto 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005