Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Quarta-feira, 4 de Maio de 2005
Scientia in orbis core
Nenhum século foi tão dependente da Ciência do que o século XX e nenhum outro se sentiu tão pouco à vontade com ela, desde que Galileu foi forçado a dizer que a Terra não se movia.</br>Este é o paradoxo fundamental com que entramos no século XXI.</br></br>

Vivemos, respiramos, comemos, comunicamos com a Ciência e raramente ou mesmo nunca (desde que surgiu) foi tão abertamente e voluntariamente desconhecida.</br>
O século XX começou com optimismo, com a inabalável certeza de que a Ciência traria ininterrupto desenvolvimento e bem-estar à Humanidade. Mas aconteceu a Iª Guerra Mundial e os seus milhões de mortos (eficientemente liquidados pela Tecnologia), aconteceu a IIª Guerra Mundial e o Holocausto, aconteceu Hiroxima e Nagasaki,...</br>
Quando acabou o século, o Mundo abraçava de braços abertos (mas tensos) e espírito fechado (e renitente) a sua mais querida filha, a Ciência.</br></br>

Mas esta deconfiança em relação à Ciência não se deveu apenas ao potencial de destruição enormemente ampliado:</br>
As criações de Impérios (de qualquer nacionalidade) sempre trouxeram sofrimento e escravidão a grandes fatias da Humanidade e não foi por isso que acabaram.</br>
As religiões criaram e potenciaram conflitos suicidas entre elas sem que por isso tenham terminado.</br>
As nações são identificadas por oposição às outras, constantes potenciais inimigas e não foi por isso que acabaram.</br></br>

Pesarosamente a violência e a destruição (quase) nunca foram causas para o término ideias ou ideais ou formas de pensamento.</br></br>

Não, o divórcio em comunhão de facto do Mundo com a Ciência tem outra causa.</br>
A Ciência, até ao século XIX, podia ser (e era) feita com pouco mais do que observação da experiência diária, habilidade, bom-senso bem equilibrado e a mecanização de procedimentos técnicos validados pela tradição. Não eram necessárias (e na altura raramente quem a fazia as tinha) habilitações académicas para fazer Ciência. Só curiosidade e um espírito arguto e disciplinado. E a Ciência não era algo que a maioria das pessoas não pudesse dispensar das suas vidas.</br></br>

Mas, no século XX, este estado de coisas começou a mudar. Os (e)feitos da Ciência começaram a fazer-se notar e a serem admirados e aceites, mesmo quando iam contra os instintos e a experiência quotidiana dos seus utilizadores: o cinema (figuras que se moviam sem terem corpo ou alma), o automóvel (carroças que se moviam sem que nada as parecesse puxar ou empurrar), o avião (barcos que subiam aos ares sem cair), a rádio (a voz de alguém que estava tão longe que nem se via), o raio-X (tirar fotografias do interior sem abrir o exterior),...</br>
O incrível passou a fazer parte da vida quotidiana, cada vez mais, e a um ritmo tal que não permitia a assimilação dos conceitos físicos que o permitia. (É esta clara demarcação entre os princípios que permitem o vôo e os instintos básicos que dizem que sem apoio físico o corpo cai que explica o medo que tantos têm ainda de voar.)</br></br>

O ideal tecnológico tornou-se, no final do século, um instrumento complexo, operado com o simples premir de botões, à prova de erro pelo utilizador, que tomava decisões (limitadas) e que se auto-corrigia, sem que fossem necessárias qualificações, inteligência ou habilidade por parte dos utilizadores finais. Uma caixa de super-mercado não funciona melhor operada por alguém com as habilitações mínimas ou por um doutorado.</br></br>

Os milagres do século (verdadeiros e palpáveis por qualquer um) são, no início desde século XXI, factos tão corriqueiros que ninguém pensa mais neles do que pensa em se vestir para ir trabalhar.</br>
Não é necessário compreendê-los para os fazer funcionar. Alguém já o fez (ou fará) melhor.</br></br>

Daqui resultam duas consequências contraditórias:</br></br>

.:. Por um lado, a suprema democracia de todos serem iguais perante a Ciência. Qualquer um, melhor ou pior, a usa, todos compreendem tanto do que usam como qualquer outra pessoa (mesmo quem constrói computadores não saberá construir carros ou aviões, casas, não usará muito melhor uma calculadora, uma televisão ou um telemóvel do que qualquer outro ser humano);</br> </br>

.:. Por outro lado a suprema ditadura da sujeição a princípios que não só não se compreendem como se rejeitam, enquanto se põe a comida a aquecer no micro-ondas...</br></br>

Foi para isto que nasceu o Cognosco..., para unir estes dois paradoxais mundos...</br></br>A Ciência no coração do Mundo</br></br>

Baseado no excelente livro «A idade dos extremos - pequena história do século XX»


Publicado por Mauro Maia às 00:01
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

1 comentário:
De tron a 6 de Maio de 2005 às 00:21
mas o seculo XXI cintifico depentede é com um toque de economicodepedência mas em portugal o vício e matar-se crianças


Comentar artigo

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
achei muito interessante essa sua forma de ver a l...
Obrigado, Desejo um bom 2014 também.
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Agosto 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005