Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Quarta-feira, 27 de Abril de 2005
Ó AI meu bem...
Inteligência ArtificialRevi recentemente (vivam os DVDs!) o filme Artificial Intelligence, dirigido por Steven Spielberg</br>
(o «Estevão Entorna-a-(Carls)berg»).</br></br>

Trata-se de um filme de sci-fi que possui, muito a la Spielberg, mensagens profundas e camadas escorreitas de significado. O mínimo que posso dizer é que é uma história de amor (filial), de como esse sentimento pode mudar o Mundo (ou pelo menos transmutar em seres humanos) e da preserverança que o mesmo instila.</br></br>

Basicamente, num futuro quase-daqui-a-pouco-mas-mais-um-pouco-mais-longe, um casal tem um filho que adoece e entra em coma. O homem trabalha numa fábrica de robots (do croata "robot" que significa servo) e esta precisa testar um novo robot, um com aparência infantil e programado para amar. Como tal, decide trazer para casa o menino-robot para que possa substituir o ausente filho do casal. Inicialmente, a devoção do menino-robot À sua mãe adoptiva erturba-a bastante. Mas, após os primeiros tempos, o menino-robot já está integrado na casa e o seu amor e carência emocional já não perturbam a "mãe" (ao "pai" é reservado um papel minoritário no filme...). Mas o filho verdadeiro é curado e volta. Temendo os ciúmes do menino-robot, a mãe, não querendo devolvê-lo à fábrica onde seria destruído, abandona-o na floresta (tal e qual como nos contos infantis).</br></br>

Começa agora, na minha opinião, o crescendo de qualidade do filme.
O menino fica desesperado, com saudades da mãe. Enquanto vagueia pela floresta, encontra um grupo de robots e é capturado, juntamente com eles, para serem levados para uma feira que se dedica à destruição de robots para um público ávido de emoções. Nessa feira, o menino conhece um robot-gigolo (falsamente acusado de assassínio), a quem se afeiçoa. Mas a aparência e emoções humanas do menino levam a multidão a exigir a sua libertação. No tumulto, o menino e o gigolo fogem. O menino só quer ver a mãe. Mas sabe que a sua mãe não o ama porque ele não é um menino de verdade. Lembrando-se da história do Pinóquio, pede a Joe (o robot gigolo) que o leve à fada azul, para que esta o transforme e a sua mãe o possa amar. Este não sabe onde ela se encontra mas leva-o a um super-computador que lhe diz que há uma fada azul em Nova Iorque (numa feira permanente que existe em Connie Island, ao largo da cidade). Mas o degelo das calotas polares está mais avançado e NY encontra-se submersa. Conseguindo roubar um veículo carro-helicóptero-submarino a um polícia, os dois vão até à cidade onde só o topo dos arranha-céus se vê (numa nota de nostalgia para os espectadores actuais é a visão do World Trade Center, uma vez que o filme foi rodado antes de 2001...). O menino deixa-se cair na água, perante o espanto de Joe (e numa bonita sequência em que se vê, reflectida na cara de Joe, a queda do menino. O reflexo ganha os contornos de uma lágrima escorrendo virtualmente no rosto humanóide do robot).

Encontra finalmente a estátua da fada-azul e posiciona-se à sua frente, pedindo com insistência para ser um menino de verdade.

Os anos, séculos (milénios?) passam e a Terra congela. O Homem está extinto e somente os descendentes dos robots caminham sobre a Terra (congelada). Numa escavação descobrem o menino congelado. A curiosidade dos robots sobre os seres humanos é imensa pois nunca conheceram algum. Os robots, apiedados pelas saudades do menino da sua mãe, recriam-na virtualmente mas apenas por um dia. E que dia magnífico tem o menino: a sua mãe ama-o, vão passear e ela é só sua. Mas o dia acaba e o menino vê-se novamente sozinho. O Fim, se não houver um segundo filme...

Ora bem, deste filme retiro o seguinte:</br>
~ o amor (quando existe) é forte e poderoso, independentemente da sua origem (os donos de animais de estimação sabem o que isso significa, mas isso não significa que sejam os únicos);</br>
~ a meu ver, a fada madrinha concretizou TODOS os desejos do menino. É certo que o menino não viu transformados os seus circuitos em carne, mas, quando "acordou", nada havia de mais humano na Terra do que ele, nada mais tinha os sentimentos e o comportamento de um. A mãe do menino amou-o profundamente, nem que fosse por aquele único dia.</br>
~ a qualquer um que diga "Ah e tal, mas não era amor de verdade, era um programa de computador" só posso dizer que se o que o menino sentia não era amor neste mundo não há amor de qualquer tipo. Claro que é fácil fingir amor (e quantos já não fizeram isto?), é fácil dizer palavras de amor, é fácil abraçar e beijar como se existisse amor, mas o verdadeiro amor mede-se nas acções mais pequenas, nos gestos involuntários, nas atenções abnegadas, nos sacrifícios que não se cobram, nos presentes do coração, nos beijos dados com o olhar no meio de uma multidão. Pela definição que eu tenho de amor, o menino amava profundamente a sua mãe.


Publicado por Mauro Maia às 23:26
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Olá Ribeiro. Eis um link atualizado para a folha d...
Seria possível fornecer um link atualizado para o ...
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005