Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Terça-feira, 17 de Abril de 2007
Q questões
Há também, a par com a acentuação e leitura das palavras em Português, questões relacionadas com o uso correcto (e as diferenças) de "c","g", "j", "q", "s", "r" "rr",”ss”

O som «ca», «co», «cu» só se faz com «c» - casar, comer, cujo
O som «ce» e «ci» só se faz com «q» - queijo, quilómetro
Para se usar o «c» para «sa», «so» ou «su» põe-se a cedilha – caça, coço, roçar, ruçar

c + a "ca" - carro, bucal
c + e "se" - parece, acetona (para fazer o som “ce” tem de se escrever que «aquele»)
c + i "si" - acima, plasticina (para fazer o som “ci” tem de se escrever qui «aquilo»)
c + o "co" ou "cu" - cachecol, copiar
c + u "cu" - cuja

ç + a "sa" - criança,
ç + e nunca se usa - usa-se ce ou ci
ç + i nunca se usa - usa-se ce ou ci - «criancice»
ç + o "so" ou "su" - soçobrar, caroço
ç + u "su"
O som «g» só se faz com «g» – gigante, guerra, figo,...
O som «ja», «jo», «ju» só se faz com «j» - janela, beijoca,...
O som «je» ou «ji» faz-se normalmente com «g» - megera, fingir
excepções – laje
eg: exigir -> exijo (para preservar o som, o «g» tem de se tornar «j»)

g + a "ga" - gato, papagaio
g + e "je" - gelo, afugenta
g + i "ji" - giratório, ágil
g + o "go" ou "gu" - golpe, gostoso
g + u "gu" gutural, agudo
g + u + e "ge" guerra, afoguear
g + u + i "gi" Guilherme, guiar, águia

E quanto ao «q»» O que dizer desta letra, geralmente lida como «q de cauda» (sendo o seu verdadeiro nome «que»
qu + a "cua" - quando, antiquado
qu + e "ce" - aquele, quebrar
qu + i "ci" - aquilo, quimera (a excepção, é a palavra tranquilo que se lê (tran + cui +lo)
qu + o "cuo" - quociente, quota (que se lê por vezes "cota" erradamente)
«Cota» com «c» é um dos eixos coordenados do espaço: o das Abcissas (x), o das Odenadas (y) e o das Cotas (z)
qu + u - não usado

Quantos aos «r»:
Um "r" entre duas vogais lê-se "re" - caro
Um "r" no início de uma sílaba entre uma consoante e uma vogal lê-se "rre" – palrar
Um “r” no meio de um sílaba entre uma consoante e uma vogal lê-se "re" – palavra, breve
Dois "r" usam-se entre duas vogais para o som "rre" - carro
No início de uma palavra se usa um "r", nunca dois - rato, rotunda

Quanto ao «ss»:
Um "s" entre duas vogais lê-se o som "ze" - caso, quase, liso
Um "s" entre uma consoante e uma vogal ou entre duas consoantes lê-se o som "se" - conselho
Dois "s" usam-se SÓ entre duas vogais para o som "se" - lasso
No início de uma palavra SÓ se usa um "s", NUNCA dois - sapato, sino

O uso de "ç" ou "s" ou "ss" não tem regra
- conselho (opinião)
- concelho (município)
- faça - "fassa"
- faca
- face
- fase
- soçobrar - "sossobrar"
- assombro - "açombro"

O uso de "x" ou "ch" não tem regra, apenas o bom hábito d ler permite saber qual deles se usa na palavra que esteja em causa (e um dicionário, claro):
- xadrez - "chadrez"
- cachecol - "caxecol"
- caixa - "caicha"
- chatear - "xatiar"

O som "ke" ou "ki" é sempre feito com "qu";
O som "ge" ou "gi" é sempre feito com "gu";
O som "ja" ou "jo" ou "ju" é sempre feito com "j";
O som "je" ou "ji" é normalmente feito com "g" - Jesus é uma excepção.

• Diminutivos e advérbios de modo

Os diminutivos e o advérbios de modo são sempre palavras graves, em que a sílaba tónica é a penúltima, mesmo que a palavra de origem seja acentuada. Logo os diminutivos e o advérbios de modo nunca têm acentos (excluem-se, como já visto, os "tis")

só - sozinho - somente
científico - cientificamente
café - cafezinho
José - Josezinho


• verbos e substantivos com a mesma raíz

Os verbos na forma infinitiva são sempre agudos, ao passo que os substantivos são graves.
Pescar - Pesca ("Pêscár - Pésca")
Trocar – Troca (“Trucár – Tróca”)
Drogar - Droga ("Drugár - Dróga")

Isto deve-se ao facto de os verbos terminaram em «r» e, como já visto, palavras terminadas em «r» são sempre agudas, exceptuando-se acentuação em contrário.


Publicado por Mauro Maia às 00:04
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

6 comentários:
De Maria Papoila a 17 de Abril de 2007 às 22:20
Querido Mauro:
Errar é próprio do homem mas os erros quando corrigidos ajudam-no a crescer... Este artigo é exaustivo e passa a ser uma referência para o uso adequado da pronúncia e da escrita da nossa lingua mãe.
Beijo


De Mauro a 17 de Abril de 2007 às 22:47
Receio até, «Maria Papoila» que seja até demasiado exaustivo. Talvez uma divisão em 3 artigo fosse melhor, menos cansativo e extenso... Provavelmente ainda é o que farei.


De Maria Papoila a 21 de Abril de 2007 às 12:17
Sempre distraída...
Este é o selo:

Image (http://photobucket.com)




Beijo


De Maria Papoila a 21 de Abril de 2007 às 12:26
há terceira é de vez...

http://i173.photobucket.com/albums/w53/mouraaoluar/thinkingbloggerpf8.jpg

Beijo


De Observador a 7 de Maio de 2007 às 14:56
"mesmo que ainda hajam muitos..." será que as regras mudaram desde que fui estudante?
Perdoe-se-me a ignorância, mas será que não deveria ser "mesmo que ainda haja muitos..."?
Um blog deveras interessante e muito proveitoso nestes tempos onde o português é tão mal tratado.
Um abraço.


De Mauro a 7 de Maio de 2007 às 16:29
Quanto à questão, «Observador», de se empregar «haja muito» ou «hajam muitos» tenho duas considerações que, neste momento, me surgem. A primeira, de cariz puramente pessoal, é a de agradecer a correcção: de facto, também a mim surge como mais natural «haja muitos» do que «hajam muitos». Nessa medida corrigirei o artigo removendo a letra em excesso. A segunda é de carácter mais geral: no meu tempo (e foi há poucos anos) a questão nem era abordada. Como leigo interessado (e não passo disso mesmo, um leio interessado) já, por diversas vezes, fui confrontado com esta ou similares questões. «Vende-se apartamentos» ou «Vendem-se apatamentos»; «Dá-se conselhos» ou «Dão-se conselhos»; «Ainda que haja muito» ou «Ainda que hajam muitos»; ... ? Como resposta a esta questão, tenho visto diferentes pontos de vista, apoiados por exemplos, contra-exemplos, razões literárias, razões académicas, razões de bom-senso, sendo todas elas fornecidas por quem, contrariamente a mim, tem formação profunda e específica da área linguística em questão. A questão parece sempre girar em torno de qual é o sujeito da frase, o implícito no verbo ou aquele ao qual o verbo se refere directamente. Não havendo, infelizmente na minha opinião, uma Autoridade Máxima para a Língua Portuguesa, vemo-nos todos enredados numa rede de opiniões conflituosas. Talvez, se a AMaLP fosse criada, estas e outras questões (como o de saber a quem nos deveríamos queixar quando Decretos-Lei são publicados com clamorosos erros linguísticos ou quando impunemente orgãos ditos-de-comunicação-social cometem/divulgam/criam/reforçam erros de Português. Um projecto-lei que eu consideraria tão importante como o da proibição de fumar em recintos fechados...


Comentar artigo

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
achei muito interessante essa sua forma de ver a l...
Obrigado, Desejo um bom 2014 também.
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005