Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Sábado, 12 de Março de 2005
Lepus et testudo (... sed amor non sequitur)
Uma tartaruga e uma lebre estavam num campo perto de um rio. Sempre que a lebre se afastava um pouco da tartaruga esta lançava-lhe um olhar muito frio e a lebre voltava. Poucas palavras a tartaruga dizia à lebre mas o seu olhar prendia-lhe sempre os movimentos.
Até que um dia a lebre precisou de ir até ao outro lado do rio, buscar ervas que começavam a faltar. Corajosa (porque nunca se tinha afastado mais de meio metro de ao pé da tartaruga) atirou-se ao rio e nadou. Mal conseguia nadar, por várias vezes engoliu água, mas nadou, nadou, nadou e lá chegou ao outro lado, a tiritar de frio e molhada. Mas tinha chegado tão longe... Do outro lado a tartaruga comia descontraidamente ervas. A lebre precisava de ouvir umas palavras de conforto, de ânimo, de coragem. Então a tartaruga olhou para a lebre, encheu o peito de ar ("É agora! Vai me animar e mostrar que tem confiança em mim" pensou a lebre) e disse-lhe "Não estás aí a fazer nada. No fim do dia volta para aqui."
Que desilusão, que falta de confiança tinha a tartaruga em si! Mas também que esperava? Nunca a tartaruga lhe tinha dito palavras de ânimo, de apoio ou simplesmente de afecto. Porque seria diferente agora? Talvez porque pela primeira vez estava a ser posta à prova e o que ouviu foi que não conseguiria.
Continuou a fazer o que lá tinha ido fazer. E o 1.º dia acabou e veio o 2.º. Nesse dia continuou a fazer o que tinha a fazer. Era já perto do meio-dia quando a lebre escorregou. Ouviu um grande estalo, como quando prendia uma cenoura suculenta nos dentes e puxava-a. As dores eram grandes. Precisava de ajuda, de alguém que a animasse. E olhou para a tartaruga. Esta levantou a cabeça, olhou para a lebre ("De certeza que vai atravessar o rio para ver como eu estou!"), disse-lhe "Está tudo bem, não está?!" e voltou a comer as suas ervas. "Oh, estou sozinha aqui, deixada a mim mesma! Bom, tenho de fazer o que tenho a fazer" pensou a lebre e voltou ao serviço.
Passou o 2.º dia, passou o 3.º, passou o 4.º, passou o 5.º e as dores a continuarem e as dores a aumentarem, mas tinha de continuar a fazer o que tinha de fazer. E foi-se acostumando ao outro lado do rio, a estar sozinha, a não saber o que o outro lado de um monte poderia ter. E foi ficando, e foi andando pelo campo que era agora o seu.
Ao fim do 5.º dia a tartaruga apercebeu-se de que a lebre começava a demorar, que a lebre tinha conseguido, que a lebre se tinha emancipado dela. E em vez de ficar contente por ela, de lhe desejar o melhor, de a ajudar (mesmo que pouca ajuda fosse já precisa), de a ir visitar, encheu o peito e disse-lhe bem alto "Lebre, eu gosto muito de ti, tenho saudades, volta para aqui que eu gosto muito de ti e faltam-me ervas do meu lado!"
A lebre ficou muito incomodada com estas palavras. Porque a tartaruga lhe tinha dito isso, porque parecia que só agora que tinha feito algo para si é que a tartaruga lho dizia, porque o campo da tartaruga tinha bastante erva e ela só queria mais erva, a que a lebre tinha trabalhado tanto para juntar. Não era amor, era egoísmo e receio de ficar só. "Que triste fico por tudo isto, em vez de me dar os parabéns, em vez de me mostrar como gosta de mim sem egoísmos nem exigências"
E a lebre gritou para a tartaruga "Se realmente sentes saudades minhas é a tua vez de te molhares!"

No título: A lebre e a tartaruga (... mas o amor não se segue)


Publicado por Mauro Maia às 22:41
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
achei muito interessante essa sua forma de ver a l...
Obrigado, Desejo um bom 2014 também.
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005