Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Segunda-feira, 6 de Junho de 2005
Decem dimensiones
Na experiência do dia-a-dia movemo-nos num espaço com 3 dimensões (largura, comprimento e altura).</br></br>Desde que a Teoria da Relatividade de
[Error: Irreparable invalid markup ('<font [...] <b>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Na experiência do dia-a-dia movemo-nos num espaço com <b>3 dimensões</b> (largura, comprimento e altura).</br></br>Desde que a <u>Teoria da Relatividade</U> de <a href="http://cognosco.blogs.sapo.pt/arquivo/634674.html" target="_blank"><font color="blue"<b>Einstein</font></b></a> generalizou-se a ideia (mas a ideia foi criada pelo Matemático Minkowsky) de que vivemos num mundo a <b>4 dimensões</b> (as três do espaço e uma do tempo).</br>Dessa forma, para marcar um encontro, especificar-se-ão as 4 dimensões: estou na Rua Cognosco, no 5.º andar, porta 161 às 21h.</br></br><b>A Teoria da Relatividade Geral explica os grandes objectos do Universo</b></br></br><img alt="Partícula" src="http://cognoscomm.com/mm/Esfera.jpg" width="98" height="99" align="left" border="0" />No entanto <b>não</b> permite entender os movimentos dos menores objectos do Universo. Quando se entra no Reino Sub-Atómico falha e uma outra teoria é usada: a <u>Mecânica Quântica</u> (<i>mecânica porque trata de partículas e movimentos e quânticas porque no mundo sub-atómico a energia não aumenta de forma contínua mas em pequenos pacotes chamados «quanta», quantidades em latim</i>).
Com ela são descritas (e várias vezes foram previstas antes de descobertas) todas as partículas sub-atómicas e os seus movimentos.</br></br>Mas as duas teorias são <b>completamente</b> contraditórias entre si.</br>A aplicação da <u>Teoria da Relatividade Geral</u> às partículas sub-atómicas leva a resultados exagerados e falsos. Só a <u>Mecânica Quântica</u> resolve os problemas do muito pequeno, com conclusões que contradizem as da Relatividade Geral.</br></br>O próprio Einstein trabalhou nesta questão até morrer, sem ter chegado a um resultado. Uma das últimas teorias surgidas para ligar a Relatividade à Quântica foi a <b>Teoria das Cordas</b>.</br></br><img alt="Corda" src="http://cognoscomm.com/mm/Corda.jpg" width="100" height="94" align="left" border="0" />Nessa teoria todas as partículas do Universo e todas as forças existentes são vibrações diferentes das mesmas partículas ínfimas, as «cordas». Tal como um «dó» é diferente de um «fá» numa guitarra porque é uma vibração diferente da corda, também um electrão é diferente de um quark porque é uma vibração diferente das mesmas »cordas».</br>A <b>Teoria das Cordas</b> resolve o problema da incompatibilidade porque o tamanho onde começam as divergências é inferior ao tamanho das teóricas «cordas».</br>Dessa forma o problema <b>não</b> é resolvido, é simplesmente esquecido por nunca ocorrer.</br></br>A <b>Teoria das Cordas</b> tem alguns resultados diferentes do que indica o senso comum. Uma delas é que vivemos num Universo a <b>10 dimensões</b></br></br><i>~ Como 10 dimensões? Altura, largura, comprimento, tempo,... não se anda em mais nenhuma direcção. Como pode haver 10 dimensões?</i></br></br>Além das dimensões <b>infinitas</b> espacial e temporal existem mais algumas dimensões que são tão pequenas que nada passa por elas (à excepção das «cordas»).</br>A razão pela qual não são detectadas emtende-se num simples exemplo:</br>Uma mangueira tem 3 dimensões, uma delas (o comprimento) significativamente maior do que as outras (a largura e a altura). Quando se pega numa mangueira as 3 dimensões são visíveis. No entanto, se a mangueira for colocada a 500 metros só o seu comprimento é detectável. As outras são tão pequenas que passam despercebidas.</br></br>Da mesma forma as dimensões extra passam-nos despercebidas. Existem em todos os pontos do Universo e no entanto só em 4 delas (as maiores) os objecto podem circular.</br>O Universo tem assim 10 dimensões (ou talvez mais), mesmo que não se veja por onde andam.</br><b>Espero que não tenhamos de circular pelo Universo com uma lâmpada na mão em busca delas...</b></br></br><i>No título «Dez dimensões»</i>


Publicado por Mauro Maia às 21:41
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

62 comentários:
De Carlos Rodrigues a 15 de Julho de 2007 às 21:24
O princípio de incerteza diz que para se saber onde está um corpo não se pode saber a que velocidade é que vai e para se saber a velocidade não se pode saber onde está. Isto é uma impossibildade da própria natureza que conhecemos, para se saber a velocidade é necessário uma porção de distância, para se saber onde está o centro irredutível do lugar é zero, é um não-local, não está em lugar algum por mais pontos de referência que existam à volta do lugar, aumentando o raio continuamente ele «termina» no infinito e é aqui no infinito que ficamos a pensar, em relação ao infinito, onde está coisa alguma? Ou mesmo, o que é coisa alguma? Percebe-se que a minha máxima é o paradoxo da união entre o estático e o movimento, sendo as duas coisas nenhuma delas e ficamos sem saber o que são tudo. Também já sabemos que a grande teoria de tudo diz que a pluralidade é apenas formas diferentes de uma unidade, novamente um paradoxo. As coisas existem tanto como onda quântica como corpuscular, no lado corpuscular parecem ser finitas e como onde estão em todos os lugares só não sabemos se uma coisa no seu lado corpuscular existe também simultaneamente no estado de onda que permitiria um número infinito de coisas extremamente iguais. No estado de onda quântica faz-nos parecer que existe um número infinito de coisas pré-existentes que desconhecemos, o que no futuro, por acidente ou propositado podemos colapsar ondas de objectos que nunca vimos como que tirando do «nada» coisas infidáveis. Na unificação do estático e movimento, Zenão dá um exemplo: em cada momento a seta está parada num determinado local, e para saber a velocidade da seta não podemos tê-la parada, seria uma contradição, tem de estar em movimento, para saber a velocidade temos que medir o tempo que ela percorre de um lugar ao outro, e aqui leva-nos a outro paradoxo, as coisas finitas são também infinitas. A noção de continuidade mais profunda é que uma porção finita é também infinita. Para se medir a velocidade da seta com total precisão ela tem de passar por um número infinito de lugares estando parada em todos eles, e essa porção infinita é zero porque cada porção de lugar por onde passa a seta é zero e a soma de lugares zero de um lugar a outro é infinito, logo, infinito, finito e zero são uma mesma coisa - zero. Assim, o movimento é uma ilusão dos sentidos. Quem perceber isto infere o absurdo que o nosso mundo é onde aquilo que para todos é lógico é na verdade algo incoerente. A seta moveu-se e percorre uma distância finita o que parece lógico, a seta esteve em movimento de um lugar ao outro parece correcto, mas o número de vezes que esteve estática de um lugar ao outro é infinito, sendo qualquer porção que se tome é infinita, o tempo, o movimento de duração de um lugar ao outro é que precisa de uma inferição correcta. Concluindo, sabemos menos do que é o tempo do que o que é o espaço. Quando se tira a fotografia de algo em movimento esse algo aparece estático na fotografia dando-nos um exemplo claro de que um objecto em movimento também está parado. No entanto, sabemos que não conhecemos coisa alguma estática, os átomos da fotografia estão em movimento assim como qualquer objecto da astronomia, haverá gravidade estática?


De Mauro a 16 de Julho de 2007 às 15:27
Pois, o Princípio de Heisenberg implica tudo isso: Zenão teria ficado orgulhoso. Logo ele que queria provar que a diversidade e o movimento são paradoxos induzidos pelos sentidos. Não concordo com ele mas não deixa de impressionar (apesar de cada um dos paradoxos ter sido já matematicamente provado incorrecto). Geralmente um objecto em movimento não fica bem em fotografias, ficam registadas diversas posições do objecto. Boas máquinas, com diafragmas rápidos, conseguem esse «isolamento» aparente. Mas é óbvio que o limite é a velocidade da luz: é impossível «fotografar» um fotão individual em movimento (com tudo o que de paradoxal uma fotografia da luz tem), não há diafragmas físicos que atinjam nem uma percentagem significativa da velocidade exigida. Quanto à imobilidade total, estática, o «frio absoluto» (0º kelvin) é isso mesmo: a total ausência de movimento corpuscular. O estado da matéria Bose-Einstein (de que já se falu num dos primeiros artigos do Cognosco) não é exactamente «frio absoluto» mas não andará muito longe... E um corpúsculo que faça parte de um Aglomerado de Bose-Einstein estará quase «estático»


Comentar artigo

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Olá Ribeiro. Eis um link atualizado para a folha d...
Seria possível fornecer um link atualizado para o ...
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Setembro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005