Últimas atualizações
Novo endereço do Cognosco: http://www.cognoscomm.com
Diário das pequenas descobertas da vida.
Quarta-feira, 11 de Maio de 2005
Míngua

O crescente islâmico O símbolo cristão é a Cruz, onde foi morto o fundador da religião;
Para sermos mais precisos, como bem salientou Rogério Pereira no comentário que aqui deixou, foram os seus discípulos que a fundaram baseados nos seus ensinamentos.
o símbolo judeu é a Estrela de David, símbolo do seu grande rei (que na sua juventude terá morto um filisteu de nome Golias com 3 metros), um grande general e pai do célebre Salomão;
o símbolo islâmico é o Quarto Crescente, que figura na maioria das bandeiras dos países islâmicos (curiosamente não figura na da Indonésia, o mais populoso país muçulmano do Mundo, que é simplesmente duas faixas horizontais, a superior vermelha e a inferior branca)

Mas de onde veio o símbolo? O que representa?

O uso desse símbolo religioso é anterior ao Islamismo.
Maomé, no século VII, ensinou uma nova religião às tribos nómadas politeístas da Arábia Saudita, após ser visitado pelo Arcanjo Gabriel (o mesmo que anunciou a Maria que daria à luz Jesus). O Arcanjo falou-lhe de Alá e ditou a Maomé o equivalente à Tora judaica e à Bíblia cristã, o Corão. Como Maomé era analfabeto (segundo a tradição islâmica) só uma intervenção divina poderia ter escrito o livro. Isso constitui, para os povos islâmicos, a prova da origem divina do Al Corão («al» é o artigo definido em árabe, o equivalente ao «o» e ao «a» português. Daí, por exemplo, «algarve»: do árabe al garb, que significa «o ocidente», uma vez que este era o território mais ocidental que dominavam).

Islão Durante a vida de Maomé, toda a Península Arábica foi convertida ao Islamismo e, após a sua morte, os árabes rapidamente converteram e/ou conquistaram muitos povos e nações.
Um desses povos convertidos, os Turcos, oriundos da Ásia, venceu e conquistou o Império Bizantino (a cor-de-rosa no mapa), o antigo Império Romano do Oriente, que tinha como capital Constantinopla (anteriormente chamada Bizâncio). Mudaram o nome da cidade para (o actual) Istambul e adoptaram, como seu símbolo, (do povo turco mas não da sua religião islâmica) o Quarto Crescente, que era o símbolo da cidade de Constantinopla.
O Quarto Crescente tornou-se o símbolo de um povo islâmico (o Turco) e não de todos os povos islâmicos. Então como se tornou identificado com a religião islâmica?

Os árabes converteram muitos povos na sua expansão geográfico-religiosa, entre esses povos os Turcos. Acontece que os Turcos viriam a ser o principal povo islâmico, em vez dos árabes, fundando o seu Império, chamado Otomano, em 1300 e passando até a governar os próprios árabes. O seu Império estendia-se da Grécia até à Península Arábica e Norte de África. Após a derrota na Iª Guerra Mundial (em 1918), ao lado da Alemanha e da Áustria-Hungria, o Império dividiu-se nas diversas etnias que o compunham (Sudão, Irão, Iraque, Turquia,...). Após deixarem de ser ocupados pelas tropas francesas e inglesas, usaram, para simbolizar o que tinham em comum (a religião) o que anteriormente tinham em comum, o Império Otomano (o Turco), através do seu símbolo, o Quarto Crescente.
Por isso, os países de religião islâmica do Médio Oriente e Norte de África têm, na bandeira, o Quarto Crescente (o símbolo do antigo Império Otomano). Os países islâmicos que não fizeram parte do Império Otomano (como a supracitada Indonésia, que fica entre o continente asiático e a Austrália) não têm.
Há países muçulmanos que não fizeram parte do Império, como a Indonésia ou o Afeganistão, que não têm o crescente na sua bandeira. Há excepções, como o Egipto, de países que fizeram parte do Império Otomano e que não adoptaram o Quarto Crescente, mas a generalidade dos países que anteriormente fizeram parte do império têm.
Há algo caricato sobre o símbolo que devo realçar (resulta caricato pela designação que, em Português, se dá às fases da Lua, apesar de não ser assim noutras línguas).
Lua Minguante C O símbolo é uma das fases da Lua e é designado (o símbolo) por Quarto Crescente (por exemplo, o equivalente da Cruz Vermelha nos países muçulmanos é o Crescente Vermelho. Mas a fase representada não é o Quarto Crescente, é o Quarto Minguante.

Agradeço ao Nelson o ter chamado a atenção para o facto de que, no Hemisfério Sul, o «C» é mesmo o Quarto Crescente e o «D» é mesmo o «Quarto Minguante». Mas apenas a Indonédia é o país maioritariamente islâmico no Hemisfério Sul (e uma pequena ponta no sul da Somália em África) mas nenhum destes países tem uma fase da Lua na sua bandeira (a da Indonésia são apenas duas faixas horizontais e a Somália azul com uma estrela). E a designação de «crescente» e «minguante» é também dependente da língua que se fala (é assim em Português e é «crescent» e «gibbous» em Inglês. Seria interessante saber como será a designação em Árabe...). A conclusão é de a fase da Lua representada no «Crescente vemelho» é mesmo o Quarto Minguante na grandessíssima mairia dos países islâmcios por estes se situarem no Hemisfério Norte.


Lua A mnemónica que uso desde criança para saber qual é qual é: se parecer um C é Decrescente (minguante), se parecer um D é Crescente.


Lua Crescente D Assim o Islamismo é a religião do Quarto Minguante... (no Hemisfério Norte!)
Também se percebe porque não o designam assim. Ninguém quer ter uma religião minguante, o que querem é uma religião crescente...

Querem o símbolo mas não querem o nome...



Publicado por Mauro Maia às 00:18
Atalho para o Artigo | Cogitar | Adicionar aos favoritos

66 comentários:
De Mauro a 13 de Fevereiro de 2009 às 11:36
Não querendo parecer anti-patriota mas nada há de «comezinho» na cerveja, muito menos nas alemãs (de que sou fã, pelo que bebo muito pouco para apreciar e não apenas engolir). A vida monástica, estranha como é aos meus leigos olhos, teve as suas contribuições decisivas para o Mundo: os doces conventuais portugueses (tendo sido criado em Aveiro, nunca poderia esquecer os seus ovos moles); as cervejas alemãs (que saudades de um copo de Weissen Bier ou do Oktoberfest...); as coontribuições genéticas de Mendel (mas não para o «gene pool» da Humanidade, já que era monge) ou mesmo a inacreditável precisão dos mapas do século XV de Fra Mauro, num tempo em que muito do Mundo não tinha sido ainda visto por olhos europeus. Uma questão que agora me ocorre é a de saber se houve monges/freiras que tenham contribuído para o avanço da Ciência além de Mendel... Foi também na Wikipédia que tive um primeiro vislumbre do que é um Díodo de Zenner (e de que o seu funcionamento está igualmente ligado ao Efeito de Túnel) mas não tinha prestado atenção ao Díodo de Túnel. Mas fá-lo-ei agora que mo referiste. Ao que sei, os monges alemães aperfeiçoaram as suas cervejas (famosas no Mundo inteiro, ainda que nem sempre se conheça a sua origem como as Pilzner, as Budweiser,...) como mitigação do jejum a que eram obrigados: como eram líquidos não contavam como quebra de jejum mas com a cevada e com o seu teor alcóolico, que adiciona bastante teor calórico: apenas a gordura, com 9 cal por grama, tem maior teor calórico do que o álcool, com 7 cal por grama.


De . a 14 de Fevereiro de 2009 às 09:23
E a bock, não esquecer a bock. Até muito recentemente não sabia que se tratava de uma classe de cerveja. Nem que na sua génese estava essa concepção curiosa que os monges tinham do jejum ;-) Bom fim de semana


De Mauro a 14 de Fevereiro de 2009 às 12:57
A Bock, como a nossa Superbock... Mais um tipo de cerveja oriundo da Alemanha e do jejum monástico. Sei, no passado recente, os aspectos negativos (isto é até um eufemismo) vindos de lá (por culpa de um austríaco histérico a quem fez falta ser casrtado em tenra idade ou quando foi ferido na Iª Gurra Mundial). Mas a História, Cultura, Ciência, Filosofia, Música europeias pouco seriam sem os inquestionáveis contributos germânicos. Confesso-me admirador das suas gentes e do(s) país(es) (incluindo, mas não exclusivamente, a Áustria, outra grande pátria germânica). Tanto assim que me encontro a aprender a língua, a que cada lição me apresenta novos, intricados e belos aspectos desta língua fundamental para a identidade europeia (nunca esquecer que a Europa pós romana/medieval foi fundada por povos germânicos que, da Bretanha à Itália, de Portugal à Áustria, ocuparam o anterior Iimpério Romano (do Ocidente), expulsaram ou integraram as gentes romanas desses territórios, assimiliaram a cultura romana e fundaram os alicerces para os modernos países europeus. Mais do que saber se a Religião Católica devia ser incluída na Constituição europeia como um pilar da Europa (não nego a sua importância histórica) a cultura germânica, passada e presente devia ser referida como um fundamental pilar.


De Rogerio Valmir Pereira a 4 de Maio de 2009 às 16:18
Olá. Meu nome é Rogério V. Pereira, graduado em Ciências da Religião pela UNISUL - Palhoça/SC e Pós Graduado na área pela FURB - BLUMENAU/SC.
Gostaria de comentar sobre a informação dada sobre o cristianismo, onde é colocado que o fundador do Cristianismo foi Jesus. Jesus era Judeu e morreu como tal. Quem fundou o Cristianísmo foram os Apóstolos de Jesus após a sua morte algum tempo depois.


De Mauro a 4 de Maio de 2009 às 18:55
Agradeço, «Rogerio», a atenção dada ao artigo. É verdade, o Cristianismo em si mesmo não foi fundado pela figura histórica de Jesus de Nazaré e tenho até dúvidas se ele reconheceria ou aprovaria esta instituição religiosa que o tem como figura central e a quem deu o nome através do título «Cristo» (Messias). Não deixa de ser a figura central do Cristianismo, que se fundou sobre as bases judaicas das quais nasceu como seita no século I da nossa era. É uma pequena correcção de de assaz importância. É sempre bom sermos precisos quando tal não complexifica em demasia a mensagem. A figura histórica de Jesus e a figura histórica de Maomé são neste ponto bem diferentes. Ambas as religiões fundam-se sobre os seus ensinamentos, mas Jesus não criou a instituição religiosa enquanto Maomé o fez. Agradeço-te a chamada de atenção e a precisão e adicionarei essa nota ao artigo. Obrigado.


Comentar artigo

Cognosco ergo sum

Conheço logo sou

Estatísticas

Nº de dias:
Artigos: 336
Comentários: 2358
Comentários/artigo: 7,02

Visitas:
(desde 26 de Abril de 2005)
no Cognosco
 
Cogitações recentes
Olá Ribeiro. Eis um link atualizado para a folha d...
Seria possível fornecer um link atualizado para o ...
Obrigado, João, pela contribuição. Não está no art...
Estive lendo sua cogitação à respeito do cálculo d...
Obrigado, Aleff, pelo apreço pelo artigo. Exatamen...
Artigos mais cogitados
282 comentários
74 comentários
66 comentários
62 comentários
44 comentários
Artigos

Setembro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Julho 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Outubro 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005